Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 013 | Ano 2 |Jul 1997
BARBOSA LESSA

O catecismo do Rio Grande

Barbosa Lessa

Não poderíamos nos despedir do Professor Coruja – o que fazemos hoje – sem antes nos referirmos ao seu “Novo Catecismo”. Em 1885 o advogado Graciano Azambuja havia lançado em Porto Alegre um primoroso “Anuário”, destinado a valorizar a cultura da província, e lá no Rio de Janeiro o irrequieto professor logo percebeu que ali estava um novo veículo capaz de lhe proporcionar ampla comunicação com a mocidade do Sul. Não perdeu tempo e já no ano seguinte o “Anuário” estampava sua colaboração. O que nos chama atenção, agora depois de um século, é a modernidade do tratamento, o tom coloquial com que Coruja deu seu recado.

Introdução: “Acostumado há muitos anos a ensinar meninos e a escrever-lhes compêndios de leitura, lembrei-me de organizar um novo e pequeno catecismo histórico-geográfico riograndense, que servirá também para muita gente grande. Vai pelo método socrático, isto é, por perguntas e respostas”. Nas primeiras perguntas, nomes e datas fundamentais, como a da fundação do presídio de Rio Grande, a posse do 1º governador da capitania, o 1º capitão-general, o 1º presidente da província. Depois põe-se a brincar com as vilas.

PQual é a vila mais antiga da província?

R – É a do Rio Grande.

PQuantas vezes foi ela criada vila?

R – Duas. Uma em meados do século passado, e a outra nos princípios do presente século.

P Há mais alguma vila duas vezes criada?

R – Há três: Vacaria, Lagoa Vermelha e Dores de Camaquã, que depois de viladas foram des-viladas e se acham hoje todas re-viladas.

PQual é a vila que tem nome de Santo de que não reza a Folhinha?

R – É a vila de S. Sepé, que é Santo que só se vê no Flos Sanctorum dos guaranis.

P Qual é a vila que está fóra de seu lugar?

R – É a de S. José do Norte, colocada ao sul da província.

PHá alguma povoação com privilégio de abóbora-menina, que por mais que cresça é sempre menina?

R – É Povo Novo, que por mais antiga que seja é sempre nova.

POnde não se tem medo nem de raios nem de tempestades?

R – Em Santa Bárbara da Encruzilhada e São Jerônimo do Novo Triunfo.

E assim por diante.

*Luiz Carlos Barbosa Lessa

é historiador, folclorista e escritor

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS