Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 038 | Ano 04 | Dez 1999
ENSINO PRIVADO

Professores definirão pauta de reivindicações para 2000

Da Redação

Negociações com o sindicato das escolas para a Conveção Coletiva de Trabalho do próximo período será em março

A assembléia Geral acontecerá no dia 11 de dezembro, a partir das 14 horas, no auditório do Instituto de Educação (Avenida Osvaldo Aranha, 527), em Porto Alegre. No encontro, os professores da rede particular de ensino definirão a pauta de reivindicações para a Convenção Coletiva de Trabalho 2000, o orçamento do Sinpro/RS para o próximo período. Será apresentado também o estatuto do Fundo Rotativo de Apoio à Qualificação Docente, instituído em novembro pelo Sindicato . Ainda serão eleitos os membros da Comis são que gerenciará esse Fundo.

Segundo Amarildo Pedro Cenci, diretor do Sinpro/RS, além do índice de reajuste salarial, serão destaques nas discussões da pauta de reivindicações a Hora-Atividade, plano de saúde e desconto nas mensalidades escolares para dependentes de professores. Ele diz que o início das negociações com o sindicato das escolas não será antecipado, conforme discussões realizadas na Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Rio Grande do Sul (Fetee/Sul), que congrega as entidades sindicais que fizeram as últimas campanhas unificadas. As rodadas de negociação acontecerão em março.

Assembléia definirá ainda o percentual e meses de desconto da Contribuição Assistencial ou de Dissídio. Além da devolução do Imposto Sindical aos professores associados, o Sinpro/RS vem trabalhando, desde 1995, a diminuição do percentual relativo à Contribuição Assistencial. Esta ação faz parte do projeto do Sindicato de tornar-se uma entidade sindical auto-sustentável, passando a custear as despesas do trabalho a partir das mensalidades pagas pelos seus sócios. A Contribuição Assistencial é discutida e definida em Assembléia Geral da categoria e refere-se diretamente à negociação da Convenção Coletiva de Trabalho. O percentual é descontado de todos os professores, independente de sua associação ao Sindicato. Em 1995, o desconto era de 8%. Neste ano foi 4,25. Segundo Cenci, o cálculo é simples. Quanto mais professores associados à entidade, menor será o percentual da Contribuição Assistencial. Em março de 1998, o Sinpro/RS contava com 9.892 sócios. Até novembro, no fechamento desta edição do Extra Classe, a entidade totalizava 11.769 professores em seu quadro social – o que representa 45.40% da base estadual. Mas o desafio é maior. O Sindicato quer fechar o ano 2000 com 55% da base sindicalizada. Esse percentual foi definido no 5º Congresso Estadual de Professores da rede particular de ensino (5º Cepep).

Pauta

– Definição de reivindicações para 2000

– Definição do percentual e meses de desconto da Contribuição Assistencial

– Definição do orçamento do Sinpro/RS para 2000

– Apresentação do estatuto do Fundo Rotativo de Apoio à Qualificação Docente e escolha dos membros do conselho que o gerenciará

– Assuntos Gerais

Leia também:

De olho

Sinpro/RS na Feira do Livro

Sinpro/RS institui Fundo de Apoio à Qualificação Docente

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS