Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 044 | Ano 5| Agost 2000
L. F. VERÍSSIMO

O grande mistério

Luis Fernando Verissimo

A morte do Aloysio Biondi foi uma baixa na resistência ao Pensamento Único. Já são poucos na barricada e alguns ainda nos morrem!

Os textos de Biondi eram desafios constantes aos leigos em economia, não porque fossem obscuros ou técnicos demais – pelo contrário, eram límpidos e admiravelmente bem escritos –, mas porque aprofundavam o grande mistério: como os mesmos dados da mesma realidade podem mudar tão radicalmente de significado de acordo com quem os analisa? Biondi e os outros, poucos, apóstatas do PU descrevem um desastre em andamento onde o PU insiste que há um jardim germinando. Usando os mesmos números.

Se não é um problema de visão conveniente (só enxergar o que queremos ver), de filosofia (só enxergar o que não nos desmente) ou de caráter (só enxergar o que nos encomendaram), a diferença de interpretações é um mistério. Culpa da natureza da matéria Economia, que não é intuição disfarçada por um jargão mas também não é uma ciência exata. Os leigos não entendem como pode haver escolas antagônicas de análise econômica, como se pudesse haver maneiras opostas de se somar 2 e 2. Entendem menos ainda quando a análise diz uma coisa e os fatos à sua volta dizem outra, e as interpretações mentirosas é que prevalecem e determinam a “verdade” indiscutível do dia, como no Brasil. Biondi era um craque em discutir verdades entre aspas.

No fim, o mistério tem a ver com uma história que eu gosto de repetir, a do ator que errou a entonação. Um figurante cuja única participação na peça era entrar em cena durante uma bacanal, jogar as mãos para o alto, escandalizado, e dizer “Mas isto é Bizâncio!” Um dia o ator bebeu demais, entrou em cena na hora certa e disse a sua fala, “Mas isto é Bizâncio!” – esfregando as mãos. Enfim, que isto aqui é uma bacanal todos estamos de acordo, mas muitos estão esfregando as mãos porque não querem outra coisa. Biondi era dos poucos que diziam que estamos em Bizâncio no pior sentido.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS