Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 056 | Ano 6 | Out 2001
ENSINO PRIVADO
HORA-ATIVIDADE

Sinpro/RS visita direções de escola

O Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS) iniciou, em setembro, um cronograma de visitas às instituições de ensino privado de todo o estado. A iniciativa busca sensibil

 

O Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS) iniciou, em setembro, um cronograma de visitas às instituições de ensino privado de todo o estado. A iniciativa busca sensibilizar as direções dos estabelecimentos quanto a importância da remuneração da hora-atividade (trabalho extraclasse desenvolvido pelo professor na preparação da aula, correção de provas e desenvolvimento de projetos). Nos encontros, os diretores do Sindicato entregam um estudo, realizado pelo Dieese, sobre reflexos da remuneração da hora-atividade na folha de pagamento, e uma carta onde observam o envolvimento cada vez maior do professor no projeto de qualificação na intervenção junto aos alunos.
A hora-atividade também será ponto de pauta da Assembléia Geral da categoria, no próximo dia 20 de outubro, na Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS (Avenida João Pessoa, 52, 1º andar), em Porto Alegre. “Entendemos que as escolas não só reconhecem esse trabalho extraclasse do professor, como o estimulam, pelo papel imprescindível que ele representa para a qualidade do ensino-aprendizagem”, observa Cecília Bujes, diretora do Sindicato.

Recentemente, o Sinpro/RS enviou um calendário para os mais de 12 mil associados registrarem o tempo utilizado para as atividades extraclasse. A tabulação das informações recebidas pelo Sindicato revelam, em média, que os professores destinam o equivalente a 50,37% de sua carga horária com atividades de planejamento, desenvolvimento de projetos, avaliação, entre outros. Esse percentual é bem superior ao obtido em pesquisa similar realizada em 1999. “Há uma oferta cada vez maior de alternativas para os alunos, como períodos de recuperação de estudos, laboratórios de aprendizagem, oficinas, projetos indisciplinares, visitas culturais”, explica Cecília. “Nada mais justo do que remunerar esse trabalho”.

O momento é propício para as visitas. Nesta época do ano, a demanda de trabalho sempre é mais vultosa em função das avaliações finais. “Existe uma imensa expectativa, tanto da escola como dos pais, em relação ao resultado favorável do desempenho dos alunos. Novamente é o professor quem se responsabiliza por todos os procedimentos pedagógicos possíveis para concretizar essa expectativa”. Por outro lado, é o momento em que as escolas estão elaborando suas planilhas de custos para 2002. O Sinpro/RS defende que as instituições contabilizem o pagamento dessa dupla jornada para o próximo ano.

O assunto também está sendo debatido pela comissão paritária, formada por representantes do Sinpro/RS e Sinepe/RS e garantida pela Convenção Coletiva de Trabalho. Essa comissão antecipa o debate das negociações salariais sobre a hora-atividade.

Assembléia Geral

Dia 20 de outubro
14 horas
Auditório da Faculdade de Economia (Avenida João Pessoa, 52)
Porto Alegre

Pauta
Hora-Atividade
Prestação de Contas Gestão 1998/2001
Escolha de Delegados para a Plenária da CUT
Escolha de Delegados para o Consind
Assuntos Gerais

Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.