Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 066 | Ano 7 | Out 2002

Cartas

Envie seus comentários: extraclasse@sinpro-rs.org.br

Vimos avassaladora máquina dos MCS fazer campanha “anti-terror” no dia 11 de setembro de 2001, data que houve entre 3 a 4 mil vítimas fatais. Porém, nunca vimos uma campanha em prol das vítimas do expansionismo do “Império do Bem” na Guerra do Vietnã, Iraque, Kosovo, Afeganistão, Palestina e outros menos notados, mas nada menos notáveis.
Pelo contrário, G. W. Bush, permite-se aterrorizar para prazer e superlucro na indústria armamentista privada sustentadora de sua candidatura e não contido por uma ONU frouxa e cúmplice que permite a criminosa livre ação de Sharon, com frágil e ambígua reação dos direitistas governantes alemães, italianos, franceses e espanhóis.
Ernesto Cassel, Erechim

Ontem, um garoto de 15 anos me contou que o professor dele de matemática, de uma escola pública de Osório, chamava-o de “burro”.
Durante muitos dias eu lamentei este fato e por não encontrar jornais que falassem a minha linguagem. Uma linguagem onde o ser humano está acima do lucro, onde a vida esta acima de tudo. Onde o amor, aquele amor simples de pai, de mãe, de educador, de família, pudesse dar o tom das realações
Há poucos dias eu encontrei um livro escrito por Rubem Alves que fala da escola da Ponte… E hoje, eu descobri, em casa de uma amiga o jornal “Extra Classe”. Me sinto autorizada a crer nestas encantadoras utopias, depois de ter sofrido muito com as histórias do meu amiguinho de 15 anos. Um abraço.
Almeri Espindola de Souza, Osório

Sou aluno de uma escola de Particular de Porto Alegre e meu professor comentou acerca de metodos pedagógicos alternativos como o RPG. Por que temas como esse não tem sido abordados e por que faltam palestras nas escolas sobre estes temas? Parabens pelo trabalho que voces tem feito.
Maurício Bernini, estudante – Porto Alegre / RS

Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.