Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 137 | Ano 14 | Set 2009
L. F. VERÍSSIMO
COLUNISTA

Aquele olhar

ilustra_verissimo

Not available

Not available

F. Scott Fitzgerald escreveu que nas vidas americanas não havia segundo ato. É uma das suas frases mais citadas, embora ninguém saiba exatamente o que significa. Ele queria dizer que vidas americanas não se beneficiam do adensamento ou do esclarecimento da trama que o segundo ato costuma trazer às peças teatrais? Ou – já que escrevia na época em que as peças tinham três atos – que os americanos passam diretamente do seu começo ao seu triunfo ou fracasso finais sem o estágio intermediário da reflexão? Ou que nas vidas americanas simplesmente não havia tempo para arrependimento e regeneração? Seja como for, assistindo a esse triste teatro em que se transformou o Senado nacional, culminando com o ressurgimento das suas próprias cinzas, como uma fênix com olhar de gavião, do Collor, fiquei pensando na frase do Fitzgerald. Com uma ligeira variação: nas vidas políticas brasileiras não existe último ato.

Você imaginaria que um Sarney já tivesse dito a sua fala de despedida e gente como Jader Barbalho tivesse protagonizado seus dramas com início, meio e desenlace conhecidos e saído de cena há muito tempo. Mas não, continuam lá, e mandando. E quem imaginaria ver de novo em cena o mesmo Collor que foi corrido do palco no fim, ou no que parecia ser o fim, da sua performance trágica, presumivelmente para a obscuridade ou para papéis menores? Não se trata de negar a ninguém a possibilidade da remissão e de outro começo, mas o mais triste disso tudo é a pobreza que revela. Nossa pobreza, pois quem elege tantos maus atores e sustenta uma dramaturgia capenga em que o fim nunca é o fim e nada tem consequência somos nós. Uma plateia decididamente tolerante com esse grotesco teatral, um primeiro ato interminável.

O assustador na volta do Collor à frente do palco é que aquele olhar furioso já foi credencial política. Ele já foi visto como um “louco” no bom sentido, decidido a acabar com a corrupção como um Jânio Quadros com melhor estampa e liberalizar a economia, custasse o que custasse. Mais assustador do que o olhar do Collor, claro, é pensar na facilidade com que, vez por outra, nos deixamos enganar por esses artistas.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS