Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 141 | Ano 15 | Mar 2010
FRAGA

Clicheria

mar10_clicheria

Ilustração: Rafael Sica

Ilustração: Rafael Sica

Tal qual o mais falante dos primatas, também as palavras são gregárias. Como se intuíssem que juntas significam mais que sozinhas. Por isso criam laços definitivos entre si, onde uma vai a outra segue, feito cônjuges do palavrório.

Repare em Dita Cuja ou no Vil Metal, por exemplo. Em separado, na companhia circunstancial de outros vocábulos, circulam por todo o território da Linguagem, porém sem maiores intimidades. Quando estão no seu bairro favorito, o Lugar Comum, aí se enfiam os braços e não se largam mais. Lembre-se de Vício Maldito, de Dura Realidade.

Todos eles, vai ver, juraram união eterna: “no diálogo e no monólogo, no conhecimento e na ignorância, na oralidade e na escrita, até que a inexpressão nos separe”.

Tais pares, formados em sua maioria por adjetivos e substantivos, não têm residência fixa: o leitor os avista em todos os tipos de publicações e na comunicação coloquial ou formal.

Eles frequentam discursos, depoimentos e descrições, relatórios, roteiros e receitas, explanações, exposições e explicações, tratados, teorias, testamentos – tudo. Num mesmo dia, por olhos e ouvidos, passeiam duplas sistemáticas, unidas há muito tempo por cacoetes verbais, como Dever Cumprido, Estaca Zero, Obra Faraônica, Costume Antigo.

Variam os gêneros, permanece a vidinha siamesa que elas levam. Podem representar tipos temperamentais como Séria Desavença ou desajeitados, como Trancos e Barrancos, e uma infinidade de figuras: Calorosa Recepção, Crítica Construtiva, Quadrilha Desbaratada, Bom Alvitre, Sufrágio Universal. Inseparáveis, aparecem de maneira sempre previsível (não é, Mera Coincidência?), o que os torna uns chatos.

Ou uns dramáticos, como aqueles que afetam nosso cotidiano – Alma atormentada, Crime Hediondo, Castigo Divino, Dilema Cruel, Dúvida Atroz, Honra Lavada, Consciência Pesada, Dor Profunda, Chaga Social e o mais longevo e duradouro par, Saudades Eternas.

Para comprovar a perenidade desses parentes da frase feita, basta citar o grupo que se reúne em torno de logradouros temporais: Priscas Eras, Futuro Promissor, Passado Remoto, Hora Aprazada, Momento Histórico, Longa Data.O convívio com essa turma causa muitos transtornos: desanimam conversas, empobrecem textos, dão preguiça à mente. Mesmo assim são populares.

Deles não adianta fugir, com destino incerto ou para paradeiro ignorado (Destino Incerto e Paradeiro Ignorado são anfitriões nesses lugares!).

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS