Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 179| Ano 18 | Nov 2013
CULTURA

A subversão pelo espaço

Galerias alternativas transformam relações de mercado e ampliam concepções, favorecendo proximidade do público e valorização de artistas contemporâneos
Por Christian Lavich Goldschmidt
Galeria de arte do Atelier Subterrânea, criado em 2006

Foto: Igor Sperotto

Galeria de arte do Atelier Subterrânea, criado em 2006

Foto: Igor Sperotto

Apesar de ter uma produção representativa nas artes visuais, historicamente o Rio Grande do Sul sempre teve poucos espaços dedicados a dar visibilidade aos seus artistas. Em Porto Alegre, a criação do Margs, na década de 1950, muda de forma discreta esse cenário. Antes disso, cabia a lojas de móveis e livrarias organizar exposições. A estrutura só começou a melhorar nos anos 1980, com o surgimento de galerias que aqueceram o comércio de obras de arte na capital. Nos últimos 20 anos, um conjunto de fatores fez surgir novos espaços, com maior valorização dos artistas, colocando Porto Alegre em uma posição privilegiada no cenário das artes visuais.

A multiplicação dos espaços reflete a valorização crescente dos profissionais, mas também expressa o crescimento de uma parcela da população que passou a investir na aquisição de obras de artistas contemporâneos. Os novos apreciadores e investidores em arte contemporânea, estudantes e profissionais das mais diversas áreas – apontam para um novo formato do mercado de artes influenciado por novas e bem-sucedidas experiências apresentadas por jovens artistas, como a busca pela independência do sistema mercadológico, que continua predominante, mas que cada vez mais perde força e espaço.

Para Paula Ramos, professora e pesquisadora do Instituto de Artes da Ufrgs, os locais públicos mais bem equipados ainda são poucos – como o Margs, o Museu de Arte Contemporânea (Macrs) e galerias municipais – e apresentam um calendário complexo, com a necessidade de atender à demanda da produção local sem deixar de contemplar os artistas de fora da cidade e do estado. A pesquisadora considera que o cenário melhorou com o surgimento de instituições como a Fundação Vera Chaves Barcellos, o Santander Cultural, a Fundação Iberê Camargo e a Bienal do Mercosul. Nesse contexto, surgiram ainda espaços paralelos, com organizações fortes como o Museu do Trabalho, o Centro Cultural Erico Verissimo, a Pinacoteca Feevale, a Fundação Ecarta, a Galeria Mamute, o Estúdio Hybrido, a Galeria Subterrânea e outras iniciativas independentes que contribuíram para dar mais visibilidade aos artistas gaúchos. “Articulados em redes, num processo de união de forças e profissionalização, artistas começaram a desenvolver novas ideias para viabilizar melhores condições de trabalho e aumentar suas vendas sem entregar os 50% cobrados pelos donos das galerias comerciais, atravessadores com pouco comprometimento, que pouco ou nenhum investimento fazem nos artistas”, constata a pesquisadora.

Uma das experiências bem-sucedidas, o Atelier Subterrânea, em funcionamento desde 2006, surgiu da necessidade de um grupo de artistas em trabalhar num projeto coletivo, tornando-se, desde então, um espaço de convergência do processo criativo de várias pessoas. Lilian Maus, uma das sócias, ressalta que o ateliê é uma associação cultural sem fins lucrativos e os projetos desenvolvidos pela equipe são contemplados com editais e financiamentos. O espaço conta ainda com a assistente de produção Isabel Waquil e os artistas James Zortea, Guilherme Dable, Gabriel Netto e Túlio Pinto. Acostumados a trabalhar em processos colaborativos, o grupo convida diferentes artistas ao longo do ano para projetos criados especificamente para a galeria. “A convocatória aberta para residências artísticas, realizada em parceria com o Instituto Goethe de Porto Alegre, permite ao artista visitante mexer radicalmente com a estrutura do espaço”, observa Lilian.

O artista plástico Antônio Augusto Bueno, com uma década de experiências com galerias de arte (integrou o Atelier da João Alfredo 512 por oito anos e esteve outros dois no Atelier Subterrânea), adquiriu em 2007 um antigo casarão na Rua Fernando Machado, no Centro Histórico. Após um ano de reformas, o Atelier Jabutipê foi inaugurado em outubro de 2009. O espaço já realizou 23 exposições de diversos artistas, contemplando desenho, pintura, videoinstalações, performances, fotografia e cerâmica. “A diversidade de técnicas foi formatando a identidade do ateliê, que atrai diferentes públicos, com o local sempre em transformação”, resume Bueno. Ele diz que o espaço foi concebido para não ser somente expositivo, mas de confraternização e troca de ideias e que outros diferenciais complementam seu calendário, como oficinas, palestras e cursos.

Experiências como as do Jabutipê e do Subterrânea mostram que nem sempre os grupos perseguem o ideal da grandiosidade. Nesses casos, ser grande pode não ser uma vantagem, já que a estrutura fica engessada e dificulta pensar a natureza das atividades. A proposta é estar preparado para eventualidades. É o caso dos artistas Carlos Krauz, Helena D’ávila, Laura Fróes e Nelson Wilbert que, ao se encontrarem em uma vernissage na Galeria Bolsa de Arte, em 2005, idealizaram o projeto 3 X 4, Construindo a Identidade. O título remete a três momentos dos quatro idealizadores: trabalhos da infância, do período acadêmico e atuais. O resultado foi exposto no mesmo ano, na galeria Xico Stockinger, da Casa de Cultura Mario Quintana. O grupo iniciou, em dezembro de 2006, o Projeto Vis(i)ta aos ateliês, no qual expuseram suas criações, interagindo com os trabalhos de outros nove artistas – Roseli Jahn, Felix Bressan, Luis Gonzaga, André Venzon, Maria Lúcia Cattani, Mário Röhnelt, Frantz, Vera Chaves Barcellos e Patrício Farias – num total de oito visitas realizadas entre dezembro de 2006 e novembro de 2012.

Critérios

cultura_2

Foto: Igor Sperotto

Foto: Igor Sperotto

Lançada em abril de 2005, a Fundação Ecarta, que desde o início contou com a adesão do público, oito anos depois é um espaço consolidado. Segundo Leo Felipe, gerente artístico da galeria de arte, a instituição oferece uma programação de, no mínimo, seis exposições por ano, além de esporádicas performances. Dessas seis, duas são selecionadas por edital e o restante da programação é feito através de convites a curadores e artistas. “Os critérios utilizados são pertinência, experimentalismo e excelência das propostas e/ou trajetórias dos artistas/curadores, com enfoque na pluralidade da produção contemporânea”, ressalta Felipe. Inicialmente, a galeria era dedicada à arte produzida no RS, mas desde 2011 realiza exposições de artistas de fora do estado e até mesmo de estrangeiros. A seleção é feita através de portfólios e propostas, ou ainda através de convites diretos quando a produção do artista/curador é de notória qualidade. “Outro critério norteador é o da interdisciplinaridade, especialmente com projetos que envolvam música e artes visuais. Além de contribuir como uma importante vitrine para a produção contemporânea, a Galeria Ecarta também atua, mesmo sendo um espaço não comercial, na profissionalização do segmento”, conclui.

Existem outras experiências que ajudaram a aproximar um público maior do universo das Artes Visuais. As intervenções em instituições privadas, como agências bancárias, e em espaços públicos, com a chamada arte urbana, que lida com questões como o desafio de representar a obra no espaço urbano de uma cidade em constante transformação; tendo como destinatários uma massa diária de desconhecidos, pode ter contribuído para o aumento de visitas aos espaços tradicionais, que num processo de atualização, lenta e gradativamente, voltam-se também para as exposições de Arte Contemporânea.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS