Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 200 | Ano 20 | Dez 2015
ENSINO PRIVADO
ASSEMBLEIA GERAL

Professores definirão orçamento do Sinpro/RS para 2016

Da redação
Foto: Igor Sperotto

Foto: Igor Sperotto

Decisões orçamentárias são avaliadas pela categoria anualmente

Foto: Igor Sperotto

Proposta da direção do Sinpro/RS é reduzir o percentual da Contribuição Assistencial, mantendo a lógica de que as mensalidades tenham um peso cada vez maior na arrecadação. O Sinpro/RS reúne os professores do ensino privado no dia 12 de dezembro, em assembleia geral, às 14h30, no Espaço de Eventos do Sindicato, em Porto Alegre (Av. João Pessoa, 919). O tema central será a previsão orçamentária para 2016, com a definição do percentual da Contribuição Assistencial e a ratificação da devolução do Imposto Sindical. Constam ainda na pauta da assembleia a eleição de delegação do Sinpro/RS para Congresso da FeteeSul; a indicação da representação do Sindicato no Conselho Estadual de Educação (CEEd/RS) e preparativos para a Campanha Salarial 2016.

Regularmente, neste período do ano, a direção colegiada do Sinpro/RS discute com os professores a sustentação do Sindicato, suas iniciativas e projetos para o próximo período. O professor Amarildo Cenci, diretor do Sinpro/RS, diz que é fundamental que a categoria conheça e entenda a sustentação financeira do Sindicato, que tem suporte em quatro fontes: mensalidade, imposto sindical, contribuição assistencial e receita de serviços.

Segundo ele, a ampliação da receita via mensalidade dos associados, combinada com a devolução do Imposto Sindical e a redução progressiva da Contribuição Assistencial constituem a base da política de sustentação do Sindicato. Atualmente, mais de 90% dos recursos financeiros são definidos pela categoria. As mensalidades dos associados representam mais de 40% da receita e a Contribuição Assistencial, 39%. “Com o crescimento do número de associados, que este ano chegou a 20.483, tivemos a oportunidade de propor uma redução ainda maior da Contribuição Assistencial para 2016, além de manter a política de devolução do Imposto Sindical aos associados”. Em 2015, o Sinpro/RS restituiu R$ 2 milhões aos professores”, destaca.

Mais de 30% dos recursos, segundo a direção do Sinpro/RS, são investidos diretamente na luta pela defesa dos direitos dos professores e na melhoria dos salários e condições de trabalho.

NEGOCIAÇÕES 2016 – Para a definição da pauta de reivindicações, que será negociada com o Sinepe/RS em 2016, o Sinpro/RS realizará assembleias regionais no final de fevereiro e início de março, em Porto Alegre e nas 13 Regionais do interior do estado, em datas, horários e locais a serem divulgados. Conforme Marcos Fuhr, diretor do Sinpro/RS, por coincidir com o fim de ano letivo e ser distante da data-base da categoria (1º de março), a aprovação das reivindicações formais para a negociação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) foi transferida para o reinício das atividades letivas. A nova dinâmica foi inaugurada em 2015 e será reeditada. “A campanha salarial fica mais compacta e conta com maior interesse e atenção dos professores”, afirma Fuhr.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS