Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 209 | Ano 21 | NOV 2016
PALAVRA DE PROFESSOR

Desafios contemporâneos

por Cristiane Ramos Vieira*

No enfrentamento dos desafios impostos à contemporaneidade, o ensino superior e a própria docência universitária colocam-se em posição de discussão e análise, buscando alternativas e fomentando processos de inovação de suas políticas de formação, no intento de abarcar os padrões de excelência e qualidade que as orientam e norteiam essa condição.

Nessa relação, privilegiar uma abordagem de ensino orientada para o significado, ao invés da simples reprodução ou memorização de conteúdos, vem sendo o grande desafio dos espaços de educação, onde a utilização de práticas que corroborem com um ensino mais inovador e desafiador das competências dos alunos  podem configurar-se como uma ação determinante na transformação das estruturas sociais e na própria aprendizagem.

Nesse sentido, as metodologias ativas objetivam alcançar e motivar o estudante, que colocado diante uma situação-problema, examina, reflete, contextualiza, pesquisa e ressignifica suas descobertas. Sendo um recurso didático de grande importância, as metodologias ativas podem favorecer, de forma significativa e eficaz, o processo de ensino-aprendizagem, possibilitando ao aluno um papel protagonista na produção de seu conhecimento.

As metodologias ativas despertam e potencializam a curiosidade, à medida que os alunos são submetidos a outras formas de pensar e aprender, a partir de elementos novos, ainda não considerados nas aulas ou na própria perspectiva do professor. A implementação dessas metodologias favorece a motivação autônoma, pois inclui o fortalecimento da percepção do aluno de ser a origem da própria ação.

Pode-se pensar que o ato de aprender pressupõe um processo que permita o estabelecimento de diferentes tipos de relações e que contribua para a reconstrução do conhecimento e a produção de novos saberes, a partir de uma educação transformadora e significativa que rompa com o marco conceitual da pedagogia tradicional. Neste aspecto, a Universidade pode e deve contribuir de forma significativa nessa transição paradigmática,  promovendo  ações que propiciem a construção coletiva de uma nova forma de interagir e de trabalhar com o conhecimento e com a aprendizagem.

* Professora do curso de Pedagogia da Universidade Feevale

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS