Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
13/04/2017
MOVIMENTO

Ocupação da Uergs: tropa de choque expulsa estudantes

Reintegração de posse descumpriu decisão da última terça-feira do Tribunal de Justiça, que adiava a retomada do prédio
Por Gilson Camargo
Movimento dos alunos reivindica espaços para aulas da universidade

Foto: Gilson Camargo

Movimento dos alunos reivindica espaços para aulas da universidade

Foto: Gilson Camargo

Os estudantes da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) que ocupavam o prédio 11 do Campus Central, em Porto Alegre, desde o dia 21 de março, foram retirados à força do local na manhã desta quinta-feira por policiais militares. Eles foram surpreendidos pela ação de reintegração de posse anunciada por um oficial de Justiça que chegou ao campus por volta das 6h, acompanhado de funcionários da Companhia de Energia Elétrica do Estado (CEEE) e um pelotão da tropa de Choque da Brigada Militar. Os integrantes do movimento foram forçados a sair sob ameaça de detenção pela PM, enquanto seus pertences eram colocados do lado de fora do prédio e as fechaduras das salas trocadas por servidores da Companhia de Energia. O espaço foi locado à Uergs em 2013 por R$ 180 mil mensais, valores que deixaram de ser repassados em 2015, o que motivou a retomada do prédio pela CEEE.

A ação desta quinta-feira provocou indignação entre os estudantes e dirigentes da instituição, já que na terça-feira, 11, o desembargador Pedro Celso Dal Prá, da 18ª Câmara Cível, acatara um agravo de instrumento em favor dos estudantes, garantindo que a reintegração de posse pleiteada pela CEEE estava suspensa até a próxima semana, quando uma audiência definiria um cronograma para o uso compartilhado das salas de aula pela Companhia e pela universidade. “Foi uma ação extremamente arbitrária. O oficial de Justiça que a coordenou não quis se identificar, apresentou como documento apenas a petição inicial da reintegração de posse e declarou que a decisão de segunda instância era irrelevante”, relatou o diretor da Região I da Uergs, Vinícius Curcio. Segundo ele, após a ação da tropa de choque, os estudantes ficaram sem acesso à defesa, pois tiveram seus celulares recolhidos.

O episódio foi comunicado pela Reitoria da Uergs ao secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Fábio Branco, e à Procuradoria Geral do Estado. “Foi uma ação que nos surpreendeu e causou indignação, pois em nenhum momento houve rompimento do diálogo e da negociação com a CEEE. Segundo a decisão juiz, possivelmente as tratativas seriam retomadas na próxima segunda-feira, 17, com vistas à elaboração de um cronograma de uso compartilhado dos espaços”, ressaltou Arisa Araújo da Luz, reitora da universidade, que reiterou o apoio ao movimento dos alunos. “A única coisa que queremos são salas para se ter aulas”, disse. A direção da CEEE e o secretário não quiseram se manifestar.

A Uergs conta atualmente com 5,9 mil estudantes distribuídos em 24 unidades de sete campus regionais. São 250 professores, 20 cursos de especialização, 20 cursos de graduação, e dois cursos de Mestrado, sendo um em Osório, de Profissional em Educação, e outro em São Francisco de Paula, de Ambiente e Sustentabilidade.

Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS