AMBIENTE

Aquecimento global desafia ONU nos seus 75 anos

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que as mudanças climáticas constituem uma crise mundial e que governos precisam ter coragem para enfrentá-la
Da Redação / Publicado em 2 de janeiro de 2020
Durante de ato realizado por estudantes em Brasília para sensibilizar o governo contra o aquecimento global

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Durante de ato realizado por estudantes em Brasília para sensibilizar o governo contra o aquecimento global

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em 24 outubro desse ano as Organização das Nações Unidas (ONU) completa 75 anos de sua criação, enfrentando desafios cada vez mais difíceis para tratar do aquecimento global e de iniciativas armamentistas.

A ONU foi fundada em outubro de 1945 com o objetivo de livrar do flagelo da guerra as futuras gerações. Firmaram a Carta das Nações Unidas representantes de 50 países, inclusive aliados que se saíram vitoriosos na 2ª Guerra Mundial.

Atualmente, o total de nações membros chega a 193. O maior desafio da organização é o aquecimento global.

Na conferência do clima COP-25, realizada em dezembro na Espanha, a ONU conclamou os países participantes a estabelecer metas mais elevadas para a redução das emissões de gases do efeito estufa, mas o encontro terminou sem acordo.

Em entrevista à NHK, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que as mudanças climáticas constituem uma crise da atualidade, não um problema para o futuro. António Guterres desafiou governos do mundo inteiro a ser “corajosos o suficiente” para enfrentar a questão do aquecimento global.

Contudo, vêm se tornando mais difícil uma união entre os países para enfrentar o aquecimento global desde que os Estados Unidos abandonaram o Acordo de Paris.

Conflitos internacionais também vêm adquirindo complexidade crescente. Divisões entre os Estados Unidos, a Rússia e a China impedem o Conselho de Segurança da ONU de apresentar soluções eficazes para conflitos internacionais.

Agrava ainda mais o desafio uma crescente corrida armamentista entre os três países.

Em 2020 são comemorados os 75 anos de criação da Organização das Nações Unidas (ONU), que enfrenta crescentes desafios para tratar do aquecimento global e de iniciativas armamentistas.

A ONU foi fundada em outubro de 1945 com o objetivo de livrar do flagelo da guerra as futuras gerações. Firmaram a Carta das Nações Unidas representantes de 50 países, inclusive aliados que se saíram vitoriosos na 2ª Guerra Mundial.

Atualmente, o total de nações membros chega a 193. O maior desafio da organização é o aquecimento global.

Na conferência do clima COP-25, realizada em dezembro na Espanha, a ONU conclamou os países participantes a estabelecer metas mais elevadas para a redução das emissões de gases do efeito estufa, mas o encontro terminou sem acordo.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que as mudanças climáticas constituem uma crise da atualidade

Foto: ONU/Reprodução de vídeo/Divulgação

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que as mudanças climáticas constituem uma crise da atualidade

Foto: ONU/Reprodução de vídeo/Divulgação

Em entrevista à NHK, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que as mudanças climáticas constituem uma crise da atualidade, não um problema para o futuro. António Guterres desafiou governos do mundo inteiro a ser “corajosos o suficiente” para enfrentar a questão do aquecimento global. Guterres, com sua fala, deixa implícito que não enfrentar implica em covardia política.  Contudo, vêm se tornando mais difícil uma união entre os países para enfrentar o aquecimento global desde que os Estados Unidos abandonaram o Acordo de Paris.

Conflitos internacionais também vêm adquirindo complexidade crescente. Divisões entre os Estados Unidos, a Rússia e a China impedem o Conselho de Segurança da ONU de apresentar soluções eficazes para conflitos internacionais.

Agrava ainda mais o desafio uma crescente corrida armamentista entre os três países.

 

Comentários

Siga-nos