Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 099 | Ano 11 | Jan 2006
ENSINO PRIVADO
URCAMP

Proposta para acordo coletivo com a Urcamp foi aprovada por ampla maioria dos docentes em assembléia. A apuração dos votos ocorreu na noite do dia 22 de dezembro, em Bagé, concluindo a assembléia multicampi, promovida pelo Sinpro/RS entre os dias 20 e 22 de dezembro. “De um modo geral, a assembléia foi marcada por muitos questionamentos e dúvidas, porém numa atmosfera de tranqüilidade. O resultado da votação evidencia a maturidade do posicionamento dos docentes, produto de uma informação continuada sobre a realidade e o processo em curso na Urcamp”, afirma o diretor do Sinpro/RS, Marcos Fuhr.

GRUPO DE TRABALHO – No dia 19 de dezembro, ocorreu a segunda reunião do Grupo de Trabalho do MEC (GT), que tem por objetivo implementar propostas de sustentabilidade e reestruturação econômica e financeira para a Urcamp. Participaram representantes do MEC, da Universidade, do Sinpro/RS, do Sintae/RS e das prefeituras municipais da região. A reunião ocorreu em Porto Alegre, na sede do Sindicato. O principal ponto de pauta foi o redesenho institucional exigido pelo MEC como contrapartida à proposta do Ministério para a implementação de uma política de publicização de vagas na Universidade. A FAT/Urcamp apresentou um conjunto de propostas de alteração dos seus estatutos. O ponto de maior destaque foi a desvinculação política entre a Universidade e a Fundação Áttila Taborda – a mante-nedora. Com isso, passariam a existir processos eleitorais distintos para conselho diretor e reitoria. Houve divergências, porém, quanto à presença formal das fundações comodatárias – que possuem contratos de comodato de campi para utilização de sedes – no conselho diretor. As entidades se comprometeram em apresentar sugestões à comissão de sistematização no dia 2, em Bagé.

Na reunião do GT, foi apresentado formalmente o relatório da Comissão Técnica instituída pelo MEC, que analisou as questões administrativas, e considerada positiva a complementação da proposta da Reitoria, que prevê o desligamento de funcionários excedentes. Além disso, ficou decidido que haveria um aprofun-damento da revisão do quadro funcional, uma vez que permanecem as evidências de ociosidade em diversos cargos; e que a Comissão Técnica acompanhará a implementação da política de publi-cização de vagas durante sua execução. A próxima reunião do GT, que acontecerá no próximo dia 6, será conclusiva e a partir desta o MEC deverá se pronunciar em definitivo sobre o aporte financeiro para a instituição decorrente de um projeto-piloto de bolsas parciais e integrais que somará R$ 16 milhões/ano.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS