Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 101 | Ano 11 | Abr 2006
LUIS FERNANDO VERISSIMO

Foi nesse verão que acabou. Decidiram que o futebol na praia seria entre esquerda e direita. Mota, o mais indiscutivelmente PT do grupo, escolheria um lado, Renê, reacionário assumido, o outro. No primeiro escolhido do Mota, já deu problema. O Martins apontou para o próprio peito e disse:
– Eu?
– É – confirmou o Mota. – Você não é de esquerda?
– Quié isso. Nunca fui.
– Você não era PT?
– Simpatizante. Mas isso faz tempo.
O Renê também teve dificuldades em escolher seu time. O Souza, por exemplo, reagiu.
– E desde quando eu jogo no teu time, Renê?
– Vai dizer, agora, que é de esquerda?
– Socialdemocrata. Socialdemocrata.
– Ó, Souza! Eu te conheço do tempo da faculdade.
– Pois então? Se você me conhece, sabe qual é a minha posição.
– Sei. Quero você pra jogar na direita.
– No seu time eu não jogo.
Ficou um clima ruim, e o Renê decidiu escolher outro. Apontou para o Melchíades, que também se rebelou.
– Essa não, Renê!
– Que foi?
– Eu de direita?
– E não é? Eu ainda me lembro de você…
Mas o Melchíades estava com as mãos espalmadas na frente do peito, pedindo para ele parar.
– Não me vem com passado, não me vem com passado.
– Você pode jogar na meia-esquerda.
– No time da direita eu não jogo.
Renê perdeu a paciência.
– Ninguém quer assumir que é de direita?
– Eu sou – disse o Alemão, que se chamava Bruno Almiro.
Renê suspirou. Sabia que o Alemão tinha até retrato do Hitler em casa. Mas o Alemão era muito ruim de bola. O Alemão, apesar de baixinho, só sabia dar pau.
– Desisto – disse o Renê.
O Mota aceitou o Souza no seu time, apesar das suas restrições históricas à socialdemocracia. Não convenceu o Melchíades, que preferiu ficar fora do jogo. E custou a convencer o Jorginho a jogar no seu time.
– Pô, Jorginho. Você fez campanha pro Lula!
Jorginho finalmente aceitou, mas com uma condição:
– Sem compromisso.
Daí para diante foi impossível formar os dois times. Acabaram voltando ao velho esquema casados x solteiros, depois que os casados aceitaram que o gordo Paixão fosse para a zaga dos solteiros, já que o que havia entre ele e a Vanusa não podia ser chamado, exatamente, de casamento.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS