Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 106 | Ano 11 | Set 2006
COMPORTAMENTO

Por Jacira Cabral da Silveira

Enquanto as filas à procura de emprego aumentam, os concursos públicos assumem para muitos o papel de uma opção irrecusável. Mesmo que para isso sejam necessários sacrifícios e investimentos.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Brasil ficou estável em agosto deste ano, repetindo os 9,4% registrados no mês anterior. Dentro desse quadro existe um total de 2,065 milhões de pessoas desocupadas e uma população empregada de 19,897 milhões de indivíduos. Ainda conforme o IBGE, o rendimento médio desses trabalhadores é de R$ 973,20 indicando uma elevação de 3,7 %.

Mesmo que os levantamentos apontem dados positivos, o mercado de trabalho no Brasil ainda sofre por falta de vagas e salários melhores. As demissões em massa nos diferentes setores – como o calçadista e universidades conceituadas – constituem um outro fator que tensiona ainda mais aqueles que precisam sustentar as famílias, começar suas carreiras, conseguir o primeiro emprego ou retornar ao mercado de trabalho para engordar a aposentadoria. Neste contexto, não basta mais limitar-se a fazer fichas em agências de empregos ou deixar currículo nas empresas. Talvez montar o próprio negócio ou virar funcionário público.

Estabilidade no emprego! É o sonho da maioria que recorre aos concursos públicos. A Fundação Carlos Chagas e a Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs) são duas das instituições que mais organizam concursos preparatórios no Estado. Em média, os salários ficam na faixa de seiscentos a dois mil reais, isso para as funções que exigem menor escolaridade.

Mas, quando qualquer dos tribunais, federais ou regionais, lança concurso para provimento de cargos como o de analista ou de técnico administrativo, a corrida é grande, pois os salários podem passar dos cinco mil reais. Proporcional à procura, entretanto, é a dificuldade de vencer a concorrência. É justamente neste espaço que entram os cursos preparatórios para concursos, onde um número, embora pequeno, crescente de candidatos procura aumentar suas chances para garantir sua vaga.

O dia-a-dia da maratona

“É de chorar nos cantinhos!” Antônio olha para a turma e diz pela primeira vez a frase que iria acompanhar seus alunos na hora da prova do concurso público para o Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul, a realizar-se no dia 20 de agosto, em paralelo a outros dois exames: o da OAB e o da Receita Federal. Antônio é professor de Informática há 14 anos e atualmente dá aula em oito dos mais de 20 cursos preparatórios para concursos em Porto Alegre.

Atento aos sinais de cansaço dos alunos, ele esconde a própria exaustão e procura conquistar cada um dos olhos fixos no quadro e nos trejeitos do mestre que, além de dominar o conteúdo, revela vocação para ator. Entretanto, ele não é o único. Professores de outras disciplinas, como o de Matemática e o de Direito Constitucional, adotam estratégias para manter a atenção dos alunos e conseguir explicar o extenso conteúdo da sua disciplina. Bira, coordenador de um dos cursos preparatórios da Capital, critica o curto espaço de tempo que os candidatos têm para estudar, em média 45 dias, a contar da publicação do edital.

Na hora do café, a maioria dos alunos aproveita para esticar as pernas e tomar alguma coisa na cantina, no final do pequeno corredor que separa as salas de aula e a parte administrativa do curso. Mesmo neste momento de descanso, é preciso aproveitar o tempo para pegar os novos exercícios que estão no xerox, ou verificar se a professora de Português já deixou com as meninas da recepção as redações corrigidas. Pela primeira vez, o TRT inclui prova de texto em seu concurso. E essa acaba sendo mais uma preocupação entre os candidatos que especulam como o Tribunal vai conciliar a novidade às tradicionais 60 questões a serem solucionadas em quatro horas: “Será que eles vão aumentar o tempo, ou diminuir o número de questões?”.

Junto ao balcão do bar, a conversa traz variações sobre o mesmo tema, afinal de contas, durante todo o mês de julho e primeira quinzena de agosto, eles assistem às aulas de Matemática, Português, Informática e Direito (Constitucional, Administrativo e do Trabalho). Denise é separada e tem um filho de 11 anos que durante a semana fica com o pai para que ela possa continuar estudando à noite – cerca de duas horas por dia – quando volta para casa. Ela comenta com uma das colegas que o fator idade – quase 40 anos – e as recentes decepções no emprego fizeram-na decidir pelo desafio do concurso.

Professora universitária e pós-graduada, Denise está se preparando para uma das vagas de técnico-administrativo, que exige a formação em Ensino Médio. Outros da turma também têm escolaridade bem acima da prevista para os cargos oferecidos. Uma delas é Betina, engenheira civil, com mestrado na área e que também já foi professora em uma das universidades na Grande Porto Alegre. Com a viagem a trabalho do marido e o compromisso de entregar em poucos dias um projeto de estrutura para clientes no Interior, tem sobrado pouco tempo para estudar e até para comparecer ao curso. Durante o dia fica envolvida com a filha pequena, na madrugada, fazendo cálculos e preparando relatórios. Isso explica os olhos fundos e o café forte na hora do intervalo. As colegas se preocupam e sentem sua falta. É comum criarem-se laços de amizade e solidariedade, mesmo que o colega esteja disputando a mesma vaga.

De volta à sala, plagiando um comunicador conhecido, Antônio convida a todos para mais uma hora e meia de aula: “Vem comigo!”. No mesmo tom, ele recapitula conteúdos de outros dias e junta com os vistos há pouco. Pede aos alunos que repitam com ele ou respondam suas perguntas. Diferente da reação da turma no início do curso, agora a resposta vem em coro. Mesmo sem muita certeza, eles se arriscam, e a atividade torna mais fácil para todos a fixação dos conteúdos. Entretanto, especialmente na aula de Informática, há momentos em que fica difícil abstrair e visualizar os comandos, teclado e monitor.

Cada vez mais cursos

Daqui a alguns dias será a prova. São cerca de 60 mil inscritos para quase 700 vagas em todo o Estado. Mesmo considerando o aumento da oferta de cursos nos últimos anos, é desproporcional a quantidade de candidatos que podem pagar as altas inscrições, que variam de quatrocentos a quase mil reais em alguns casos. Por isso, uma das opções é matricular-se apenas naquelas disciplinas consideradas mais difíceis. Deve-se observar o perfil do curso conforme o cargo selecionado na inscrição do candidato. Segundo Bira, o curso que ele coordena tem tradição em preparar para concursos que exijam o Ensino Médio como escolaridade mínima.

Nero, professor de Matemática há 25 anos, tem experiência em escolas regulares, pré-vestibulares e de pré-concursos. Há períodos, como agora, em que trabalha nos três turnos, de segunda a domingo, tanto para grupos como para aulas individuais. Dessa forma, ele é um dos que mais ocupa a sala de reforço que faz divisa com uma das salas principais, com capacidade para 70 alunos. Como sua agenda está sempre lotada, é preciso passar ligeiro entre os alunos em recreio e evitar as costumeiras perguntinhas de corredor. Quem o vê correndo assim fica com a impressão de que o compromisso em passar é mais dele do que dos próprios candidatos. Se não fosse o aspecto de nordestino e a pele bronzeada, ele bem que poderia ser confundido com o coelho de Lewis Carroll, em Alice no País das Maravilhas: “É tarde, é tarde, é tarde, muito tarde”. E lá se foi o Nero para mais uma aula.

Mas a maratona também ocorre entre professores de outras áreas. Com febre e dificuldade de permanecer muito tempo em pé enquanto dá aula de Direito Constitucional, André está em dúvida se neste fim de semana irá a Florianópolis dar aula em um curso para o exame da OAB durante todo o sábado e domingo. Além da gripe e do cansaço comum em épocas como esta, ele tem receio da chuva numa estrada tão perigosa como a que liga o Rio Grande do Sul a Santa Catarina: “E eu me recuso a viajar de avião, ou deixar alguém dirigir meu carro”. Pelos seus cálculos, só no mês de julho deu 66 aulas para mais de dois mil alunos.

Assim como Antônio, André é um dos preferidos da turma. Ele diz que a melhor coisa do mundo é dar aula, e que a profissão já é caso de hereditariedade em sua família. O pai é um dos sócios de um dos pré-vestibulares mais conhecidos da Capital, e a irmã também da aula de Direito. Dizendo que é um dos caras que mais entende do tema, ele faz a turma levar a mão ao peito e repetir: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Logo depois ele profetiza: “Quem botou a mão no peito vai passar”.

Mas quem não conseguir a vaga agora, é só seguir estudando. Até o final do ano já há previsão de, pelo menos, mais dois grandes concursos. Se, por um lado, para alguns é novidade essa coisa de freqüentar um curso preparatório, seja por falta de dinheiro ou achar que não é necessário, tem aqueles que já começam a planejar o próximo. Para quem não está acostumado, começa a achar que é comum o fato de não passar e que sempre haverá uma próxima chance. E essa é a opinião de muitos dos profissionais envolvidos com este aparato que são os bastidores dos concursos. Bira comenta: “Quando o pessoal vem comprar a apostila, eu digo que não basta; é preciso fazer o curso. Assim que eles se matriculam, eu digo que isso ainda não basta; é preciso estudar muito em casa”.

E, quando o pessoal chegar em casa depois da última aula, antes mesmo de organizar as derradeiras olhadelas nos conteúdos, vai encontrar na caixa de mensagem um bilhete de incentivo enviado pela direção do cursinho. Independente da conotação comercial evidente para a maioria das pessoas, para quem participou dos mais de trinta dias de aula até fica um pouco tocado. Mas, certamente, o desejo mais íntimo é não precisar retornar para novos cursos, nem passar outras tantas noites sem dormir. “E aí vocês vão melhorando o bolso”, é um dos últimos conselhos do professor de Direito Administrativo.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS