Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 111 | Ano 12 | Mar 2007
LUIS FERNANDO VERISSIMO

Discute-se, de novo, se o agravamento da criminalidade se deve ao agravamento do “social” – outra maneira de dizer que só acaba com outra sociedade – ou se o “social” é irrelevante. No fim, um embate entre o pensamento utópico e o pensamento Washington Luís, segundo o qual a questão social é um caso de polícia – e que continua tendo adeptos fervorosos quase 80 anos depois da deposição do nosso último presidente agropastoril. Parece incrível que ainda se duvide que a guerra urbana num Rio de Janeiro tenha ligação direta com a louca demografia do lugar e que o Brasil está pagando, em horrores repetidos, por anos de descaso e exclusão.

Mas o pensamento utópico, que pede paciência e cabeça fria até que este se transforme no país próspero e justo pintado em todas as promessas de campanha, também nega a realidade. Como todas as formas de apelo à razão, se torna inútil na hora do pânico. Diante do último crime hediondo, o pensamento dominante retrocede a antes, até, de Washington Luis, à Bíblia, e não às mensagens de tolerância de Cristo, mas à retribuição rápida e definitiva do Velho Testamento: horror por horror, morte por morte. Na hora do pânico, a racionalidade perde para o instinto de retaliação instantânea, e vá discutir com um instinto decapado, ainda mais com aval bíblico. Quem pede bom senso na hora do pânico se arrisca a ser chamado de um escandinavo fora do lugar, alguém que ainda não entendeu bem que está no Brasil, e antes de Cristo.

Quando der para discutir tudo isto com alguma calma seria bom saber a que atribuem a explosiva criminalidade brasileira os que negam que a sua causa seja social, e que somos os responsáveis pelo nosso próprio pânico. Dizer que a culpa é de repressão falha, justiça lenta e leis inadequadas não vale: essas omissões reais são de prioridades historicamente erradas, portanto parte do “social” negligenciado, e um desconserto antigo. O que mudou se não foi o acúmulo de descaso e o agravamento da exclusão? Foi o ingrediente relativamente novo da droga? Ou foi uma reversão do pólo magnético da Terra que de uma hora para outra piorou o caráter nacional?

Fica para outra hora.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS