Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 114 | Ano 12 | Jun 2007
ELISA LUCINDA

O vento dá maio aos meus desejos,
diz maio em meus ouvidos,
beija o segredo das orelhas descobertas
(orelhas não, zureba, meu filho dizia assim)
zurebas outonadas acompanha-me até a estação mais próxima.

Ó, meu bonde vento, meu trem,
diz me por que seu maio é tão lento e nítido,
tão clarioso de luz?
E por que todos os poetas se rendem à tentação de recontá-lo?

Como a resposta estava na pergunta,
o vento parou de súbito de soprar,
pra não me dar confiança.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS