Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 120 | Ano 12 | Dez 2007
PALAVRA DE PROFESSOR

Juliene Prieb Burkt

Muitas perguntas aparecem para nós, professores, no momento de organizar e planejar o trabalho pedagógico. Nos questionamos para que serve e qual é o papel social da escola, o que fazer para que as crianças aprendam mais e melhor. E às crianças certamente ocorrem dúvidas sobre como é a escola, o que acontece lá dentro, o que podemos e o que não podemos fazer, como vamos aprender.

Ao pensarmos no trabalho pedagógico do início do Ensino Fundamental de nove anos, consideramos que, a cada ano, recomeçamos nossa ação educativa com novas crianças, portanto, com seres em constantes mudanças, sujeitos vivos e pulsantes. Daí a necessidade de contínuo estudo, atualização e revisão das nossas práticas pedagógicas.

Sabemos que o modo como nós, educadores, organizamos o trabalho pedagógico está ligado ao sentido que damos à escola, à sua função social, às maneiras como entendemos e valorizamos a criança, também aos sentidos que dermos à infância e aos processos de ensino e aprendizagem. Em síntese, dependem também da nossa concepção de educação, formação profissional e história de vida.

Na escola e na vida, encontramos múltiplos sujeitos, modos de viver, pensar e ser. Mas encontramos também aqueles que nos identificam como seres humanos, pertencentes a um período histórico. Somos sujeitos sociais, criamos vínculos e sentimentos, construímos história e histórias, culturas que nos enraízam, nos envolvem e nos identificam. E nós sabemos bem disso, porque convivemos com crianças e adolescentes que trazem experiências vividas, muitas vezes, dramáticas.

Às vezes, nos preocupamos somente com os conteúdos e não paramos para conhecer os nossos alunos, para ouvir os conteúdos tão significativos de suas vidas. Aprendizagem envolve sensibilidade e mudança. Caso não consigamos desenvolver relações de confiança e afeto com os alunos, dificilmente construiremos uma relação de ensino e aprendizagem. A escola deve ser um lugar de encontro, de partilha de conhecimentos, de idéias, de sentimentos, de crenças e conflitos, uma vez que acolhe pessoas com pensamentos, valores e saberes diferentes.

É na tensão viva desse movimento que organizamos a principal função social da escola: ensinar e aprender com vocação.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS