Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 133 | Ano 14 | Mai 2009
ELISA LUCINDA

Nem que chova forte
canivete, gilete
no sul e norte
aquela chuva insecável
que cai doida sem aviso
a tudo alaga
e depois para,
nada disso se compara
às sombrancelhas do meu amor
Ainda que faça calor
essas curvas, esse feixe de expressão e frescor
prepara as olhadas
Esses espessos grafites
emolduram as embocaduras
de todas as máscaras dele
e nenhuma delas esconde nada
Todas empunham
ambas artimanham
o dengo dele
a coragem dele
Nada lateja
Nada verdeja
sem a elas perguntar, consultar
pra que lado volvem, resolvem,
a que correnteza sugerem
Essa arquitextura consegue
me fazer mulher e menina
gigante e anã
dama e cortesã.
Essas sobrancelhas parecem
uma obra nova
inspiração não vã.
Parecem Rodin.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS