Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 147 | Ano 15 | Set 2010
EXTRAPAUTA

extrapauta1

Not available

Not available

Citado em investigações sobre supostas irregularidades na emissão de licenças ambientais da hidrelética Pai Querê, obra prioritária do PAC na fronteira nordeste do Rio Grande do Sul, o grupo carioca de óleo e gás Engevix mostrou mais uma vez que não está para brincadeira quando se trata de abocanhar fatias da área energética, de preferência a reboque de projetos que envolvam recursos públicos.

Em Pai Querê, o Estudo de Impacto Ambiental feito pela Engevix foi recusado pela Fepam e pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica por estar incompleto (ver reportagem “Biodiversidade ameaçada” em http://www.sinprors.org.br/extraclasse/mar10/ambiente.asp). Os técnicos que fizeram o documento simplesmente deixaram de citar espécies de plantas e animais que vicejam na área a ser inundada.

A mesma Engevix fechou acordo com a Petrobras para a construção de oito cascos de navios-plataforma no estaleiro Rio Grande e comprou, por R$ 20 milhões, a sua concorrente Aibel Óleo e Gás, que atuava no conserto e manutenção de plataformas para a estatal. Até aí tudo bem, não fosse o fato de, no ano passado, a norueguesa Aibel ter perdido uma licitação da Petrobras para prestação de serviços de engenharia para 39 plataformas de óleo e gás, apesar de ter apresentado algumas das melhores propostas. Além de ter sido preterida sem maiores explicações do processo de licitação, a Aibel ainda foi suspensa do cadastro de fornecedores da estatal. Sem contrato e mergulhada em dívidas trabalhistas, virou presa fácil da Engevix.
Crise da Ulbra I
Os hospitais Luterano e Independência, que eram mantidos pela Ulbra até o início do ano passado, poderão ser leiloados pela Justiça Federal com o objetivo de arrecadar recursos para pagamento de parte da dívida da Universidade com a União, que beira os R$ 2,5 bilhões.

Crise da Ulbra II
Em junho deste ano, o ex-reitor da Ulbra e ex-pastor da Igreja Luterana, Ruben Eugen Becker, foi indiciado na Operação Kollektor, da Polícia Federal, por estelionato, fraude à execução, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Com ele, foram indiciados outros dez envolvidos na ciranda de fraudes e crimes que provocaram a crise da Ulbra. A PF não revela seus nomes porque as investigações ainda estão abertas e podem resultar em indiciamento de outros envolvidos.

 Educação como negócio

O Grupo Anhanguera Educacional, cujas ações negociadas na Bovespa têm por base o custo/benefício por aluno, anunciou para 2011 o início das operações do seu campus no bairro Cavalhada, em Porto Alegre. A expansão das demais unidades no estado segue com duplicação da área em Rio Grande, novos prédios em Pelotas e Caxias do Sul e aprovação do projeto para construções em Passo Fundo. As políticas do grupo incluem grande número de alunos por turma, precarização de direitos trabalhistas e da qualidade do ensino. Para valorizar suas ações, calcula quanto valem seus alunos. Em Brasília, cada aluno é vendido por R$ 5,5 mil e, em Passo Fundo, por R$ 4,1 mil.

 NOTAS

UERGS – O novo reitor da Uergs, Fernando Guaragna Martins, eleito em julho na primeira eleição democrática da história da Universidade, ainda não foi empossado pelo governo do estado. Questionada sobre a posse, a atual reitoria argumentou que o assunto está a cargo da Secretaria de Ciência e Tecnologia. A eleição foi homologada pelo Conselho Superior em 6 de agosto.

BANRISUL – A PF, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público de Contas deflagraram no dia 2 de setembro a Operação Mercari para apurar possíveis desvios de recursos do Banrisul. O superintendente de marketing do banco, Walney Fehlberg, um funcionário da SL&M, Gilson Storke, e um diretor da DCS, Armando D’Elia Neto, foram presos em flagrante por peculato e lavagem de dinheiro.

Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.