Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 153 | Ano 17 | Mai 2011
JOSÉ ALONSO

José Alonso

Arte: Pedro Alice

Arte: Pedro Alice

Inúmeros são os estudos, teses acadêmicas e iniciativas dos governos do estado que discutem a persistência das desigualdades regionais sem, contudo, formular propostas convincentes com a finalidade de mitigá-las. Enquanto isso, o processo de desenvolvimento em curso no RS relega ao subdesenvolvimento extensas áreas do território gaúcho (estamos nos referindo à Metade Sul, em especial). A persistente perda de participação relativa na produção total do estado, nas últimas décadas, é corroborada por um incontestável indicador de empobrecimento regional que é a perda absoluta de população, tendência registrada na última década, pela primeira vez na história.

Recentemente, um estudo desenvolvido na FEE, por Glaison Guerrero e César Conceição, identificou as diversas categorias de aglomerações produtivas (usando somente dados da indústria) que poderiam se constituir em Arranjos Produtivos Locais (APLs). Chama a atenção que numa extensa faixa de território, que se estende desde a Microrregião de Cerro Largo na fronteira com a Argentina até a Microrregião de Jaguarão na fronteira com o Uruguai, não há sequer um único “Embrião de Arranjo”, categoria mais fraca de aglomeração produtiva utilizada no estudo. Trata-se de uma área que sofreu um processo de desindustrialização absoluta, ao mesmo tempo em que também a agropecuária perdia a sua dinamicidade, enquanto atividade básica da região.

É claro que algumas atividades novas têm sido introduzidas na região nas últimas décadas, entre as quais podemos destacar a implantação de uma universidade federal (Unipampa), os projetos de energia eólica, a vitivinicultura, entre outros. Todavia, a capacidade individual de mobilizar as forças dinâmicas, internas e externas, dessas atividades é limitada, apesar da potência que tem uma universidade.

A superação do subdesenvolvimento regional, em casos como esse, implica a escolha de uma COMBINAÇÃO de iniciativas, projetos e medidas que sejam capazes de provocar um processo de expansão econômica que se reproduza de forma ampliada ao longo do tempo. O que se observa nos dias atuais, em algumas cidades dessa faixa de fronteira, é uma euforia com a possibilidade de aprovação no Congresso Nacional de uma lei permitindo a instalação de freeshops do lado brasileiro, a exemplo do que ocorre nas cidades uruguaias da fronteira. Muitas lideranças e boa parte da população estão excitadíssimas com essa possibilidade. Lamentavelmente, temos que registrar que se trata de um grande equívoco.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS