Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 155 | Ano 17 | Jul 2011
PALAVRA DE PROFESSOR

Joana Karam*

Há exatos dois meses fui vítima de um furto na instituição de ensino na qual trabalhava. Era por volta das 20h de uma segunda-feira, quando estava encerrando as atividades na escola e, para chavear a porta da sala de aula, escorei na parede externa minha bolsa pessoal, uma pasta com os materiais escolares, um aparelho de som e uma mochila contendo um notebook, modem de internet móvel e outros materiais. Foi a última lembrança que tenho desta mochila. Num pequeno momento de distração, todo material de cinco anos de docência desapareceu.

Após dezenas de ligações para colegas, professores, coordenadores e funcionários, durante aquela semana e a seguinte, não obtive qualquer sinal de esperança, nem mesmo de consideração por parte da escola. Foi uma sensação de total abandono.

Saí da escola sem um pedaço da minha história, pois todos os meus registros profissionais e pessoais dos últimos anos estavam dentro daquele computador, incluindo o trabalho de conclusão do mestrado que estava prestes a ser entregue. Até hoje estou aguardando uma satisfação sobre o que fizeram ou quem roubou meu notebook. A escola não me ressarciu e disse não ter condições de me ajudar a adquirir outro aparelho.

O que me deixou triste acima de tudo foi o descaso. Além de ter perdido todo um material impagável no sentido dos conteúdos que desenvolvi, do aparelho em si e dos gastos que tive para tentar recuperar este e, depois, para adquirir um novo computador, a escola sequer me deu satisfação, tampouco apoio para buscar medidas para tentar encontrar o computador, como divulgar com urgência para a comunidade se alguém encontrasse ou tivesse pegado a mochila por engano para devolver etc.

Como professora de Música e para desenvolver meu trabalho é fundamental a utilização dos recursos da tecnologia. Pelo que me é exigido fica complicado dar aulas de música somente com giz e quadro negro, ou branco. E por não ter os recursos necessários nesta escola, sempre levava meu aparelho de som, instrumentos diversos, computador com internet para mostrar vídeos, músicas e arranjos para reproduzir em sala de aula, bem como para os diversos eventos comemorativos do ano letivo. Em resumo, sempre levei meus materiais, visando fornecer uma educação musical adequada, confiando plenamente na escola; confiando que ali nada de mal iria acontecer.

Desejo de coração que todos os professores e principalmente as instituições ampliem o olhar sobre as necessidades de trabalho e que possamos receber de todas as escolas aquilo que é necessário para realizar com qualidade o nosso trabalho. Mais do que isso, devemos exigir segurança para que tenhamos tranquilidade, harmonia e paz de espírito para poder trabalhar e nos preocupar com o que deve ser o nosso principal foco na escola: a convivência digna, a educação e a construção dos saberes.

 

*Professora de Música – Porto Alegre/RS

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS