Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 170 | Ano 17 | Dez 2012
FRAGA

Fraga

Fraga

Ilustração: Rafael Sica

Ilustração: Rafael Sica

Não existe atacadão tão bem sortido quanto esse mundão ao redor. Não fosse o nosso planeta, como se saberia o que é abundância? Ao que se saiba, só aqui tem quantilhões do essencial: ar, água, terra, animais, plantas, minerais. O problemaço é que, exatamente aqui nesse vasto e sortido celeiro, surgiu o ser mais ganancioso do Universo. Daí que a distribuição de qualquer coisa, por mais farta que seja a coisa qualquer, empaca no exagerado excesso de querer.

E embora o verbo compartilhar esteja na onda, nada é de fato compartilhado numa boa – a não ser a saliva na conjugação. Acumular, na base do tudo-pra-si-nada-pros-outros, está no dna do pior dos primatas. Tinha que virar um cacoete da espécie, e o rol de mesquinharias desenrola-se pelai.

Mesquinharia tem de todo tipo: de P e M a G e XL; de mg e ml a toneladas; de milimétrica a quilométricas; de fração de segundo a milenares; de monocromáticas a policromias; de norte a leste, de sul a oeste; de inaudíveis a cacofônicas; de macro a micro; de específicas a genéricas; de singulares a plurais; de mdc a etc.

Quando circulamos é que as mesquinharias desfilam: no majestoso edifício, o toldo protetor da chuva cobre só o portão, dali até o hall é toró no lombo. É mesquinharia de vários autores – da construtora, do arquiteto, do síndico.

Ao viajar, as mesquinharias surgem na medida da redução de custos, que toma assento nos veículos com rodas, asas ou cascos. Cada cm de desconforto pro passageiro rende fortunas à engenharia triunfante do custo-benefício.

Nas refeições, a mesquinharia adora a balança da comida a quilo (aquilo é comida?), se refestela em embalagens mínimas e tem prazer em baixar o nível dos ingredientes desde os banquetes aos coquetéis.

A mesquinharia debocha do consumidor em serviços e produtos; desdenha dos dependentes dos planos de saúde; faz pouco de quem não consegue seus direitos com as seguradoras; ri às custas do contribuinte sem a justa contrapartida das administrações públicas.

Até a meteorologia diversifica sua mesquinharia: ou há escassez de chuva ou falta equilíbrio entre frio e calor.

(Eu ia continuar com o tema pelo resto do jornal mas vou me amesquinhar no assunto, paro aqui. Afinal, o leitor pode não ser mesquinho em sua desatenção.)

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS