Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
15/12/2017
ENSINO PRIVADO

Demissões do centro universitário podem passar de 150. Sindicato, professores e alunos protestam
Da Redação
UniRitter/Laureate demite em massa

Foto: reprodução Facebook

Estudantes protestaram na quinta-feira em apoio aos professores

Foto: reprodução Facebook

Nesta sexta-feira, 15 de dezembro, às 18 horas, os estudantes do Centro Universitário UniRitter/Laureate realizarão um ato de protesto contra a demissão em massa de professores das áreas de Direito, Enfermagem, Pedagogia e demais cursos. A manifestação acontece na sede de Porto Alegre, no Campus Zona Sul, na rua Orfanotrófio 555, no estacionamento em frente ao prédio A. Também haverá um ato no Campus de Canoas, às 19 horas. Os atos desta sexta-feira se somam aos protestos ocorridos ontem, quando foram anunciadas a demissão de um grande número de professores com maior qualificação, titulação e tempo de casa. No sábado, haverá uma reunião de docentes no Espaço de Eventos da sede Estadual do Sinpro/RS, às 11 horas, na Avenida João Pessoa, 919, para tratar do assunto.

O movimento dos estudantes que convocou o ato denuncia que “os melhores” professores da universidade estão sendo demitidos. Segundo material convocatório dos alunos na internet para o protesto, trata-se do “ Armagedom do ensino superior”.

“Os estudantes se solidarizam com os professores que foram demitidos e permanecem em constante atenção aos fatos noticiados na mídia. Somos contra toda e qualquer ação tomada pela instituição de ensino de forma vertical e autoritária sem aviso prévio aos alunos. Lutaremos contra a demissão em massa de profissionais qualificados, bem como contra as mudanças curriculares, funcionais e estruturais impostas. A luta dos estudantes é no que diz respeito à negociação sobre as mudanças, à queda da qualidade da educação proposta pela faculdade e não aceitaremos nenhum retrocesso”, explica a estudante Laura Ferrari Flores, do 7º semestre de Direito, no Campus Zona Sul, integrante do GT Mobilização Estudantil – UniRitter.

SINDICATO – Na tarde do dia 14,  representante da instituição informou que seriam realizadas apenas demissões dentro da normalidade durante uma reunião com o Sindicato dos Professores do Ensino Privado (Sinpro/RS). Porém, antes do final do dia já haviam sido desligados mais de 100. Até o fim desta sexta, 15, pode ultrapassar os 150. A instituição possui 487 professores e as demissões atingem quase um terço do total.

No começo da semana, também surgiram especulações de que a reitora Laura Frantz e a pró-reitora acadêmica Barbara Costa, também teriam sido afastadas. Outra informação que chegou ao Sindicato dos Professores é que todos os doutores do curso de Psicologia teriam sido demitidos.

Conforme Amarildo Cenci, diretor do Sinpro/RS a “demissão em massa”, “a seletividade” e a “discriminação” serão questionadas judicialmente pelo Sindicato. “A pretexto de ajustes o que a Instituição está fazendo é uma redução drástica no custo da folha, desligando os professores mais antigos, com titulação, e que asseguraram junto com os demais o bom ranqueamento da instituição na avaliação do MEC. Por isso, é lamentável que o UniRitter responsabilize os próprios docentes pelo seu desligamento, como fez em nota pública”, diz. De acordo com o sindicalista, essa mesma prática está sendo implementada na Fadergs, também pertencente à Laureate .

HISTÓRICO – Em 2010, o Centro Universitário Uniritter deixou de ser uma instituição filantrópica ao ser comprado pela Laureate International Universities, empresa privada com sede nos Estados Unidos, e que possui uma rede com mais de 50 universidades, em 24 países. No estado também é mantenedora da Fadergs, com 143 professores e Fapa, com 53.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS