Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
10/03/2018
MOVIMENTO
CONAPE

A Conferência Nacional Popular de Educação foi realizada neste final de semana, em Porto Alegre, com a participação de professores e representantes de entidades ligadas à educação
Por Edimar Blazina

Carta Aberta conclama a sociedade gaúcha a debater e posicionar-se em relação a entrega das riquezas nacionais, a desarticulação de nossas matrizes de produção de conhecimento e tecnologias e a paralisia de investimentos em políticas sociais e educacionais, que ameaçam o presente e o futuro dos brasileiros

Foto: Igor Sperotto

Professores, pesquisadores e representantes de entidades ligadas a educação no Rio Grande do Sul realizaram neste final de semana (sexta à noite, 9, e sábado pela manhã, 10) a etapa estadual da Conferência Nacional Popular de Educação (Conape). No encontro, foram discutidas e aprovadas as emendas ao documento oficial da Conape, vindas das etapas anteriores, além de avaliadas as conjunturas educacionais nos níveis nacional, estadual e municipal. Também foi aprovada a Carta do Rio Grande do Sul pela Educação, documento oficial do evento que será levado ao encontro nacional, que será realizado em maio, em Belo Horizonte.

“A Conape, em todas as suas atividades, contou com a participação expressiva das representações municipais, regionais e livres. Os debates foram qualificados em defesa da qualidade da educação”, afirma Celso Stefanoski, diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS), uma das entidades organizadoras da Conferência. “Vamos organizar comitês regionais permanentes em defesa da educação”

A Conape promove a mobilização social em torno do tema educacional, principalmente no que tange a implementação dos Planos Municipais, Estaduais e Nacional de Educação, cujas metas e prazos estabelecidos nos documentos não vêm sendo cumpridos, segundo as entidades ligas à educação. O Sinpro/RS, o Cpers/Sindicato (representante dos professores da rede pública estadual) e a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Adurgs) integram a organização da Conferência no Estado.

Professor Gaudêncio Frigotto fala na abertura da Conape-RS

Foto: Igor Sperotto

Na sexta-feira, 9, na abertura da Conferência, no Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa do RS, o professor e doutor em Educação, Gaudêncio Frigotto fez uma análise sobre o atual cenário político e social do Brasil. Frigotto considerou a reforma do ensino médio, proposta e aprovada pelo governo de Michel Temer, como a “mais ardilosa” de todas. “É uma reforma que regredi e obstrui gerações. Uma traição aos alunos, filhos dos trabalhadores, ao achar que deixando que eles escolham parte do currículo vai ajudá-los na vida. Ela legaliza a existência de uma escola diferente para cada classe social”, concluiu.

Ao final, o professor parabenizou os participantes por estarem em um número tão grande no evento, em uma sexta-feira à noite. “Precisamos disso para organizar a luta e é exatamente o que estamos fazendo aqui”.

Segundo dia de debates ocorreu na Faculdade de Educação da Ufrgs, em sala lotada

Foto: Igor Sperotto

Na manhã deste sábado, 10, o debate foi aprofundado com a discussão das emendas vindas dos encontros regionais, municipais e conferências livres, organizadas em todo o Estado durante 2017 e início deste ano. Foram também eleitos os delegados que representarão o Rio Grande do Sul na etapa nacional da Conape.

O encontro ocorreu, desta vez, na Faculdade de Educação da Ufrgs. Como conclusão do encontro, os participantes elaboraram e aprovaram a Carta do  Rio Grande do Sul.

CARTA – O documento aprovado na Conape/RS conclama a sociedade gaúcha a debater e posicionar-se diante das discussões impostas pelo cenário do campo educacional no país, através da criação de comitês pela educação e cidadania. “A entrega das riquezas nacionais, a desarticulação de nossas matrizes de produção de conhecimento e tecnologias e a paralisia de investimentos em políticas sociais e educacionais ameaçam o presente e o futuro de brasileiros e brasileiras que por gerações sonharam um país para todos”, diz o documento. A Carta ainda condena a reforma do ensino médio, a base comum curricular, o fechamento de escolas públicas e a enturmação proposta pelo governo estadual nas instituições de ensino, entre outros pontos que classifica como retrocessos e ameaças no caminho da democratização da educação no Brasil. A Carta do RS pela Educação é o documento oficial de conclusão dos debates da Conape/RS.

CONAPE – A Conferência é organizada pelo Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE) e os Fóruns Estaduais Populares de Educação. A Conape nasceu da preocupação de diversas entidades, após a desconstrução pelo Governo Federal do calendário da Conferência Nacional de Educação de 2018 (Conae-2018) e da desconfiguração do Fórum Nacional de Educação (FNE), estabelecido pela Lei 13.005/2014 (Lei do Plano Nacional de Educação 2014-2024), em abril de 2017.

“Em junho de 2017, foi instituído o Fórum Popular de Educação com o intuito de preservar o PNE e as 20 metas da Conae 2016 e resistir aos retrocessos que estavam acontecendo no país em nível educacional e social”, relata Margot Andras, diretora do Sinpro/RS. No Rio Grande do Sul, as conferências ocorreram em diversas cidade e regiões, houveram também conferências livres que discutiram a resistência e temas específicos como as reformas do Ensino Médio”. Margot acentua que a Conape é um espaço para reforçar que só a educação de qualidade, laica e democrática poderá construir o Brasil para todos”.

Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS