Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
29/06/2018
CULTURA

Publicação marca o centenário do nascimento do líder negro que acabou com o apartheid na África do Sul e se tornou presidente
Por Marcelo Menna Barreto

Cartas da Prisão de Nelson Mandela

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Julho próximo registrará o centenário de um líder que marcou profundamente a história: Nelson Mandela. Entre outras coisas que deverão comemorar esse importante centenário, será lançado simultaneamente em diversos países o livro Cartas da Prisão. A obra, que é a primeira e única coletânea autenticada e autorizada das correspondências do líder que acabou com o sistema de apartheid na África do Sul, é uma iniciativa da novaiorquina Liveright Publishing e, no Brasil, será publicada pela Editora Todavia.

Oferecendo um um retrato íntimo do ativista político, a coletânea segundo preliminarmente informado pelos editores mostrará as mais diferentes facetas de Mandela: o marido dedicado, o pai afetuoso, o amigo fiel e um aluno esforçado que estudou atrás das grades para se formar em direito. Até o momento nenhum jornalista ou crítico teve acesso ao Cartas da Prisão na íntegra, devido a uma cláusula contratual que não permite o envio do livro antes do próximo dia 8. No entanto, Cartas da Prisão já está nas livrarias online em pré-venda, com o lançamento e distribuição programados para o dia 10 de julho.

As Cartas da Prisão que foram foram reunidas a partir de coleções públicas e privadas – muitas não vistas pelo público antes – têm a edição da jornalista sul-africana Sahm Venter, pesquisadora sênior da Fundação Nelson Mandela que cobriu a libertação do ex-presidente da África do Sul em 1990. “Essa coleção de cartas nos faz lembrar das excepcionais pressões em Nelson Mandela para sucumbir ao sistema que buscava limpar seu nome da consciência pública e que esperava que ele morresse como prisioneiro”, disse recentemente Venter. O prefácio ficara à cargo de Zamaswazi Dlamini-Mandela, neta do ex-prisioneiro que dois anos após sua libertação foi eleito presidente da África do Sul. “Esta compilação respondeu muitas das perguntas que costumavam me desconcertar: Como meu avô sobreviveu a vinte e sete anos na cadeia? O que o fez seguir em frente? Nas palavras dele podemos encontrar as respostas”, afirmou Zamaswazi.

A jornalista sul-africana Sahm Venter, que editou o livro ao lado da neta de Mandela, Zamaswazi Dlamini-Mandela, autora do prefácio

Divulgação/Nelson Mandela Foundation

A jornalista sul-africana Sahm Venter, que editou o livro, ao lado da neta de Mandela, Zamaswazi Dlamini-Mandela, autora do prefácio

Divulgação/Nelson Mandela Foundation

Abarcando os vinte e sete anos em que Mandela esteve encarcerado, ao todo foram selecionadas 250 cartas para lembrar o centenário do líder sul-africano em um volume. Mas a Liveright Publishing promete não parar por aí. Já projeta um box com dois livros ainda sem previsão de lançamento chamado “The Prison Letters of Nelson Mandela”.

Nascido em 18 de julho de 1918 em Mvezo, Transkei, África do Sul, Mandela Mudou-se para Joanesburgo em 1941 e se tornou um dos principais nomes na luta contra o apartheid. Em 1993 recebeu o prêmio Nobel da Paz e em 1994 tornou-se o primeiro presidente negro eleito na África do Sul.

Madiba, como também era chamado devido ao seu clã, ou Tata (pai), Nelson Rolihlahla Mandela lutou contra o regime segregacionista da áfrica do Sul que foi instaurado após a vitória do Partido Nacional em 1948. Em 1962, ele foi condenado a cinco anos de prisão por incentivar greves e viajar ao exterior sem autorização do governo. Dois anos depois, novamente julgado, foi condenado à prisão perpétua por sabotagem e conspiração para que outros países invadissem a África do Sul. Mandela foi solto apenas em 1990, devido à fortes pressões e sanções internacionais que acabaram inviabilizando o regime autoritário sul-africano e obrigou o país a passar por um processo de abertura. Morto em 5 de dezembro de 2013, Mandela se inspirava em Mahatma Gandhi. Hoje, defensores da causa palestina, são os que se inspiram no Tata, através do movimento BDS, que busca, da mesma forma que ocorreu com o Apartheid, acabar com o sistema de segregação dos Palestinos pelo estado de Israel.

Cartas da prisão, de Nelson Mandela, será lançado em mais de dez países no dia 10 de julho. Entre eles estão África do Sul, Alemanha, Brasil, Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Nova Zelândia, Austrália, Holanda, Suécia e Itália.

Trecho do livro

23.6.69  

Minhas queridas, […] Não é a primeira vez que a mamãe vai para a cadeia. Em outubro de 1958, apenas quatro meses antes do nosso casamento, ela foi presa com 2 mil outras mulheres quando protestavam em Joanesburgo contra os passes de locomoção e passou duas semanas na prisão. No ano passado ela cumpriu quatro dias, mas agora ela voltou para a cadeia e não sei dizer quanto tempo ficará detida desta vez. Tudo o que desejo que vocês sempre tenham em mente é que temos uma mamãe valente e determinada que ama sua gente com todo o seu coração. Ela abriu mão de prazeres e confortos por uma vida cheia de sacrifício e penúria por causa do profundo amor que ela tem por seu povo e seu país. Quando vocês forem adultas e pensarem detidamente nas experiências desagradáveis que a mamãe atravessou e na obstinação com que ela se aferrou a suas convicções, vocês começarão a compreender a importância da contribuição dela à batalha pela verdade e pela justiça e o quanto ela sacrificou de seus interesses pessoais e de sua felicidade. […]

Afetuosamente seu

Papai

 

GÊNERO Biografia, memórias
TRADUÇÃO José Geraldo Couto
EDITORA: Todavia
CAPA Ciça Pinheiro e Pedro Inoue
FORMATO 16 x 23 x 4,2 cm
PÁGINAS 648
PREÇO R$ 84,90 E- BOCK R$ 59,90

 

 

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS