Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
09/08/2018
SAÚDE

Medida já aprovada por deputados mobilizou milhões de mulheres em todo o país, mas foi derrotada em sessão histórica que dividiu senadores
Por Gilson Camargo*
Manifestações tomaram conta do país nos últimos meses por uma mudança cultural em relação aos direitos das mulheres

Foto: Divulgação

Manifestações tomaram conta do país nos últimos meses por uma mudança cultural em relação aos direitos das mulheres

Foto: Divulgação

Depois de quase 17 horas de debates, enquanto milhares de mulheres protestavam sob a chuva pelo fim do aborto clandestino e a extensão de seus direitos, o Senado argentino rejeitou na madrugada desta quinta-feira, 9, o projeto de legalização da interrupção voluntária da gravidez que já havia sido aprovada pelos deputados. Nas proximidades do Congresso, as manifestações que tomaram conta do país nos últimos meses por uma mudança cultural em relação aos direitos das mulheres foram se desmobilizando e às 3h, momento da votação, não representavam nem um quinto dos protestos liderados pelas organizações que compõem a Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Livre.

Sessão no Senado argentino durou quase 17 horas

Foto: Agência Legislativa/ Divulgação

Sessão no Senado argentino durou quase 17 horas

Foto: Agência Legislativa/ Divulgação

O resultado da sessão no Senado não trouxe muitas surpresas: foram 38 votos contra e 31 a favor, duas abstenções e a ausência da senadora Eugenia Catalfamo, do bloco Unidade Justicialista, que está em licença-maternidade. Mas o clima esquentou durante os debates. A vice-presidente da República, Gabriela Michetti, fora do microfone, chamou de “pelotudo” o líder da coalizão Cambiemos, Luis Naidenoff, que havia solicitado que a senadora fosse mais flexível com o tempo concedido aos parlamentares.

O saltenho Rodolfo Urtubey, do partido Justicialista, teve que dar explicações sobre declarações que fez a respeito de abortos realizados em casos de estupro depois que Anabel Fernández Sagasti, de Mendoza, do partido Frente para la Vitória, qualificou as manifestações do colega como “uma bestialidade da idade das cavernas”. Alguns discursos foram mais veementes, como os de Beatriz Mirkin (Frente), Pino Solanas (Proyecto Sur) e Miguel Pichetto (Justicialista), e não faltaram manifestações mais emotivas como a de Gladys González (Proposta Republicana), que foi às lágrimas na tribuna. Histórico, o debate em torno da legalização do aborto no Congresso se estendeu por quatro meses.

Sob chuva, a espera por um desfecho que se mostrava cada mais improvável pelas mãos dos senadores

Foto: Joaquín Salguero/ Página 12

Sob chuva, a espera por um desfecho que se mostrava cada mais improvável pelas mãos dos senadores

Foto: Joaquín Salguero/ Página 12

“Após 13 anos de sua primeira apresentação, em 14 de junho, após 700 exibições em comissão e uma maratona de 23 horas, uma coalizão transversal de deputadas e deputados, acompanhados por uma multidão nas ruas, deu-lhe uma meia sanção e a questão passou para a Câmara Alta com um impulso surpreendente”, registrou o jornalista Sebastian Abrevaya, do Página 12. “A pressão dos setores políticos e religiosos conservadores primeiro conseguiu imprimir ao tratamento um ritmo mais lento e, em seguida, ir adicionando vontade de rejeição com o passar das semanas”.

O radicalismo acabou se posicionando como o bloco que, proporcionalmente, adicionou mais votos à rejeição: nove de 12. O PRO contribuiu com outros cinco contra quatro a favor. Contando todos os seus membros, Cambiemos acrescentou 17 votos contra e apenas oito a favor.

O bloco liderado pelo justicialista Pichetto acumulou 12 votos a favor, 11 contra e uma abstenção do seu colega de partido Omar Perotti, de Santa Fé. A Frente para a Vitória-PJ foi a que obteve mais votos a favor: oito de nove, incluindo a ex-presidente Cristina Kirchner. A única senadora do bloco que votou contra foi Silvia García Larraburu, de Rio Negro, que mudou seu voto nos últimos dias, contrariando o anúncio antecipado da Frente/PJ, de que todos os seus membros iriam acompanhar a meia sanção dos deputados.

No final da tarde, a vice-presidente Gabriela Michetti tentou acelerar o cronograma da votação com a desculpa de que era uma recomendação do Ministério da Segurança para evitar possíveis incidentes externos. Depois da meia-noite, a deputada kirchnerista Mayra Mendoza denunciou que Gabriela foi forçada a se retirar da Câmara Alta, “escoltada e empurrada pelo pessoal de segurança do Senado”, por ordem de Michetti.

“Não há duas vidas, três vidas, há apenas uma vida e você tem que defendê-la sempre”, disse Cristina Kirchner após 1h da manhã, lembrando medidas que tomou quando era presidente, como a criação da Asignación Universal por Hijo (AUH) ou leis como casamento igual, identidade educação sexual ou sexualidade abrangente. A ex-presidente explicou que sua mudança de posição em relação ao aborto deveu-se “às milhares e milhares de mulheres que foram para as ruas em defesa dos seus direitos”.

Pichetto: “O século 21 é o século das mulheres. E quem não entender isso será deixado de fora da história"

Foto: Agência Legislativa/ Divulgação

Pichetto: “O século 21 é o século das mulheres. E quem não entender isso será deixado de fora da história”

Foto: Agência Legislativa/ Divulgação

O líder da bancada justicialista também justificou seu voto a favor, mas com foco na separação entre religião e Estado. “O século 21 é o século das mulheres. E quem não entender isso será deixado de fora da história. A religião não pode impor ao país inteiro as regras que são de natureza civil de um Estado secular”, disse Pichetto, que criticou o presidente Mauricio Macri por não ter assumido a liderança no debate.

DEBATE – A sessão havia começado excepcionalmente cedo. Os primeiros oradores foram os presidentes das Comissões de Saúde, Mario Fiad; dos Assuntos Constitucionais, Dalmacio Mera, e Justiça, Pedro Guastavino. Os dois primeiros, contrários à lei, recorreram à alegada inconstitucionalidade e inconvencionalidade do projeto e à necessidade de proteger o “direito à vida” do embrião. Guastavino, no entanto, acusou a ingreja: “Recebi muitas mensagens que em nome de Deus me desqualificaram. Eu tive que desviar de crucifixos. O mesmo setor da igreja que olhou para outro lado quando nós e nossos companheiros eram desaparecidos ou torturados pela ditadura”, acusou.

Norma Durango: “é uma questão de igualdade e devemos tratá-la com uma perspectiva de gênero. É sobre o direito das mulheres de decidir sobre seus próprios corpos, porque a maternidade será desejada ou não"

Foto: Agência Legislativa/ Divulgação

Norma Durango: “é uma questão de igualdade e devemos tratá-la com uma perspectiva de gênero. É sobre o direito das mulheres de decidir sobre seus próprios corpos, porque a maternidade será desejada ou não”

Foto: Agência Legislativa/ Divulgação

A senadora Norma Durango fez o primeiro discurso abertamente feminista da sessão. “Esta questão é uma questão de igualdade e devemos tratá-la com uma perspectiva de gênero. É sobre o direito das mulheres de decidir sobre seus próprios corpos, porque a maternidade será desejada ou não”, disse. “Queremos salvar as duas vidas e não estamos salvando nenhuma. Nós todos sabemos que estas são mortes evitáveis ​​e não podemos esperar mais um minuto”, acrescentou Gladys González, referindo-se às mortes de mulheres provocadas por abortos clandestinos.

Em um discurso qualificado por alguns de seus pares como “bestialidades”, o peronista justificou seu voto contrário com uma tentativa de naturalização da violência sexual. “Há casos em que o estupro não tem aquela configuração clássica de violência nas mulheres, mas às vezes o estupro é um ato não voluntário com uma pessoa que tem uma absoluta inferioridade de poder diante do agressor, por exemplo, no abuso intrafamiliar, em que você não pode falar sobre violência, mas não sobre consentimento, mas sobre subordinação”. Ao ser interpelado, tentou desconversar. “Afirmei que toda forma de violação deve ser considerada um caso de aborto não punível. De maneira alguma eu quis limitar o conceito de estupro ou negar que isso leva à violência”, disse.

Mais alentadora para as milhares de mulheres que àquela hora ainda se manifestavam pelas ruas à espera de um resultado cada vez mais improvável, foi a mensagem do líder da oposição, Miguel Angel Pichetto: “Mais cedo do que tarde, em um dia mais brilhante do que este dia cinzento de chuva, as mulheres terão a resposta que precisam”.

*Com Página 12, El País e agências.

Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS