Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
06/12/2018
EDUCAÇÃO
ECONOMIA

Percentual dos que ingressam no ensino superior após completarem o ensino médio no sistema público é 36%, ante 79,2% dos egressos da rede privada
Da Redação*
As maiores proporções no nível superior eram compostas por alunos cuja renda domiciliar per capita estava no grupo das 25% mais altas do país

Foto: Unila/ Divulgação

As maiores proporções no nível superior eram compostas por alunos cuja renda domiciliar per capita estava no grupo das 25% mais altas do país

Foto: Unila/ Divulgação

Dos alunos que completaram o ensino médio na rede pública, somente 36% entraram numa faculdade. Para os da rede privada, esse percentual mais que dobrou: ficou em 79,2%. Os números foram divulgados pelo IBGE na Síntese de Indicadores Sociais 2018, que destaca as desigualdades de acesso ao ensino na pré-escola e no nível superior.

De acordo com a pesquisadora do IBGE, Betina Fresneda, o Brasil é o país que tem o maior retorno salarial para quem tem nível superior completo entre todos os 36 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que representa grandes economias e do qual o país ainda não faz parte. Quem tem diploma no Brasil ganhava 2,5 vezes mais do que alguém com ensino médio, enquanto entre os países da OCDE a média era de 1,6 vezes mais. “É uma discrepância que tem a ver com o fato de sermos um país muito desigual”, constata.

DIFERENÇAS – Em 2017, 51,5% dos brancos com ensino médio completo ingressaram no ensino superior. Já entre pretos e pardos essa proporção era de 33,4%. Ter concluído o ensino médio em uma escola privada atenuou as diferenças segundo cor ou raça: a taxa de ingresso dos brancos provenientes do ensino médio privado foi de 81,9% e a dos pretos ou pardos, de 71,6%. “O perfil de renda também é bastante desigual”, aponta Betina. As maiores proporções no nível superior eram compostas por alunos cuja renda domiciliar per capita estava no grupo das 25% mais altas do país.

Aarte: IBGE

Aarte: IBGE

Para a população pré-escolar, as desigualdades por renda também fazem parte da distribuição entre escolas ou creches da rede pública. Em 2017, 74,1% das crianças de 0 a 5 anos frequentavam escola ou creche da rede pública de ensino, mas essa proporção aumentou à medida que caía a renda domiciliar per capita: o quinto com renda mais baixa concentrava 92,9% de suas crianças na rede pública e o com mais alta, 25,1%.

“Das quatro categorias analisadas, quanto mais elevado o estrato de renda ou o nível de instrução, maior a frequência à rede privada”, explica a pesquisadora do IBGE Luanda Botelho. “Entre as crianças que não estavam frequentando escola ou creche e que apresentaram como principal motivo a falta de vagas ou não ter escolas perto da moradia, quem respondeu com mais intensidade foi justamente quem mais dependia da rede pública, que são as pessoas de nível de instrução cada vez mais baixo, com menores quintos de renda, na área rural, e também pretos e pardos”, analisa a pesquisadora.

A publicação destaca que existem metas para o ensino pré-escolar no Brasil, definidas no Plano Nacional de Educação (PNE), institucionalizado em 2014. O Plano prevê a universalização da frequência a creche ou escola para crianças de 4 e 5 anos de idade. Para crianças de 0 a 3 anos, a meta é de 50%.

*Com informações da Agência IBGE.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS