OPINIÃO

O Brasil que emerge ou… afunda

Publicado em 7 de agosto de 2018

A menos de dois meses das eleições gerais de 7 de outubro – na qual os brasileiros elegerão o presidente e vice da República, governadores e vices de estado e do Distrito Federal, senadores, deputados federais, estaduais e distritais, torna-se necessário identificar a que projeto de país e estado cada candidato ao Legislativo e Executivo está atrelado.

Tanto o Sinpro/RS quanto o Jornal Extra Classe têm buscado oferecer aos associados e leitores em geral subsídios para reflexão. Vivemos tempos de ceticistmo e desinteresse crescente de boa parte dos brasileiros pela política – possivelmente o que contribuiu para mergulhar o país na atual conjuntura de retrocessos.

Não são poucos os especialistas, cientistas políticos e intelectuais que analisam a conjuntura política pré-eleitoral, identificam os interesses que movem cada um de seus atores e projetam o que os brasileiros podem esperar das eleições de 2018.

Nesta edição, trazemos uma matéria sobre o evento promovido pelo Sindicato dos Professores, em agosto (ver pág. 18), com os painelistas Aldo Fornazieri, Gláucia Campregher, Lênio Streck, Alceu Castilhos, Juremir Machado da Silva e Benedito Tadeu César, que adiantaram algumas das suas impressões sobre o Brasil que emergirá das urnas.

Uma reportagem de fôlego sobre o que especialistas pensam sobre a realidade tributária brasileira que penaliza a população mais pobre e a classe média e desonera os mais ricos e as empresas. Qual seria a reforma necessária e por que os setores que detêm o poder não possuem qualquer interesse em mexer nas regras do jogo.

A ponta do Iceberg é o crescimento da pobreza e com esse aumento da miséria, multiplicam-se os casos de famílias e crianças nas ruas em condições precárias e de trabalho infantil. Trabalho este que alimenta ainda mais a miséria, pois possui uma série de consequências no desenvolvimento infantil.

Outro aspecto que evidencia o avanço da miséria é o recrudescimento da guerra pelo lixo reciclável nas ruas e unidades de triagem de Porto Alegre. De alguns anos para cá, catadores clandestinos têm conseguido com muita facilidade chegar ao filé do lixo reciclável produzido na capital dos gaúchos antes da Prefeitura, com isso o material não chega às centenas de famílias que tiram seu sustento da coleta e triagem do lixo.
Uma entrevista com o Ivo Herzog, filho de Vladimir Herzog, morto nos porões da ditadura coloca mais polêmica no debate eleitoral que tem um candidato à presidência que defende a tortura e assassinato de subversivos.

E, para encerrar, um livro que trata de 2013 o ano em que iniciaram os protestos que culminaram no impeachment de Dilma Roussef. E ainda, Fraga, Verissimo, Edgar Vasques, Rafael Corrêa, Santiago, Marco Weissheimer, Marcos Rolim.

Comentários