OPINIÃO

Bolsonaro debocha da apatia geral

Por Moisés Mendes / Publicado em 30 de julho de 2019

 

Foto: Reprodução/YouTube

Foto: Reprodução/YouTube


Bolsonaro poderá dizer amanhã ou depois que seu ídolo Brilhante Ustra foi torturado por um preso político. Uns 10% vão acreditar no que ele diz, 30% dirão que o fato é improvável mas é bom que ele tenha dito aquilo, 40% vão se sentir ofendidos e revoltados e 20% ficarão indiferentes ou dirão que não sabem nada a respeito ou que preferem não saber.

Essa é uma caricatura do retrato médio dos brasileiros em relação ao governo Bolsonaro, mostrado pelas pesquisas. Nessa caricatura, a maioria diria que sua reação com a informação de Bolsonaro, que transforma um torturador em torturado, é de indignação. A mais profunda indignação.

A indignação é o sentimento capaz de apaziguar o brasileiro com sua consciência e seu entorno nesse desastroso começo de século 21. Ele não se revolta, não aciona nenhum mecanismo efetivo de reação ou defesa, não vai às ruas, não corre riscos, não vai nem até a calçada para acenar para eventuais manifestantes que passem. O brasileiro médio fica indignado e isso parece bastar.

O país sob permanente estado de indignação chegou a ser usado para algumas abordagens ditas científicas com a tese de que os descaminhos da democracia provocaram um cansaço generalizado e imobilizador. É uma tese furada. Países com democracias capengas ou ameaçadas por situações semelhantes convivem com indignação, resistência e gente nas ruas.

Há muita gente nas ruas de Moscou, correndo o risco da prisão e de julgamentos sumários. Há manifestações em Hong Kong contra o governo, mesmo que sob a ameaça de milícias violentas. Os jovens manifestam-se em Buenos Aires, Caracas e em Budapeste.

São manifestações essencialmente políticas. Vão além das passeatas com apelos identitários, em defesa da mulher, do aborto, da maconha ou do meio ambiente. Eles fazem manifestações contra governos. Mas aqui os brasileiros apenas indignam-se.

Assim como se tornou impossível prever os limites dos desatinos de Bolsonaro, é improvável que se possa medir o tamanho e o alcance da nossa indignação. Porque é um sentimento basicamente virtual, subjetivo, gritão, pretensamente grandioso, mas gasoso. O limite de Bolsonaro talvez seja o estabelecido não pelas arbitrariedades e pela presumida insanidade dele, mas pela alienação dos que assistem suas três bobagens diárias.

Se Bolsonaro tem, como dizem as pesquisas, o apoio de um terço dos brasileiros, dois terços confusos, acomodados ou distraídos estão do outro lado, incluindo os que reprovam sua conduta, os que estão indiferentes, os que sabem muito pouco e os que nada sabem que nada sabem. Somados, esses dois terços são quase 100 milhões de eleitores.

Pois é possível que os revoltados com Putin não representem dois terços da população. Mas eles saem às ruas e são espancados, detidos e ameaçados. E voltam às ruas. Aqui, o máximo que acontece hoje, o grande espetáculo, é o grito de guerra ‘Ei, Bolsonaro, vai tomar no c’. Pode parecer catártico, libertador, mas é pouco.

E assim Bolsonaro vai descobrindo até onde pode ir. Seu recado mais óbvio, quando completa apenas meio ano de governo, é o da radicalização de suas posições e ambições. Bolsonaro diz: não vou caminhar para o centro, vou governar com e para o meu um terço de eleitores, o mais fiel um terço da política brasileira nos últimos tempos. E o resto que fique apenas atrapalhado e indignado.

Quanto mais Bolsonaro disser que vai invadir terras indígenas com mineradoras estrangeiras, que a educação pública será destruída, que entregará o petróleo, que perseguirá professores, que as armas serão liberadas, que Glenn Greenwald é apenas um gay espertalhão, que o macho brasileiro deve se impor, que a Amazônia será devastada, que as milícias que mataram Marielle merecem ser exaltadas, que os venenos para a lavoura serão aprovados sem restrições, que tem profundo desprezo pelos torturados pela ditadura  quanto mais ele disser o que já vem dizendo, quanto mais radicalizar, maior fidelidade terá desse um terço.

A direita conseguiu vencer resistências e conquistar adesões explorando toda forma de ignorância misturada a medos, ódios e ressentimentos. Agora a extrema direita conta com a fidelidade canina do seu um terço que potencializa esses sentimentos. E explora a inércia, a apatia e a resignação de boa parte dos outros dois terços.

Bolsonaro não quer ampliar apoios, mas sedimentar sua base, o que inclui o discurso dirigido aos militares que dele também desconfiam. Os ataques ao presidente da OAB, com a insinuação de que o pai dele, militante de esquerda, foi morto em 1974 pelos próprios companheiros, e não pela ditadura, faz parte dessa estratégia.

Bolsonaro e os filhos se preparam para governar com o apoio de uma minoria furiosa, certo de que manterá Congresso e Judiciário sob controle. Seu limite não é dado pelo destempero emocional e pela incapacidade de governar com alguma moderação, mas pelo monitoramento dos que se encolhem e se acovardam. O Brasil pode estar mais doente do que Bolsonaro.

Comentários