OPINIÃO

Um percurso de educador

por Wagner Coriolano de Abreu* / Publicado em 16 de julho de 2020

*Professor de Literatura e pesquisador. Licenciado em Letras, com mestrado e doutorado em Teoria da Literatura, autor de Quando o teatro encena a cadeira (Unisinos, 2001) e Sempre aos pares (Carta, 2012), leciona na Oficina de Literatura do Projeto Guardiões da Água (Secult/Semae), em São Leopoldo

A biografia em foco se inscreve em vínculo estreito com práticas e ações da pedagogia, traçando o percurso educativo que funda uma escola multiprofissional. O livro Otimista e atrevido (Oikós, 2018), escrito por Daniel da Silva Assum e Udo Ingo Kunert, reconstitui a trajetória de Antônio de Medeiros Nazário, por um eixo que vai da experiência itinerante dos anos de formação e dos lugares por onde passou até a inserção na área da Saúde, como profissional da Enfermagem e professor, e na área da Educação, como sócio proprietário da Escola de Enfermagem da Paz em São Leopoldo, e depois fundador da União Profissional de Atenção à Ciência e Saúde (UNIPACS), nas cidades de Esteio e de Taquara.

Um percurso de educador

Foto: Reprodução/Divulgação

Foto: Reprodução/Divulgação

A história desta empresa educacional tem conexão direta com a biografia do fundador, cuja vida se configura com aprendizagens difíceis, que serviram de fundamento para as opções feitas. Ainda jovem, residindo em Caxias do Sul, Antônio Nazário iniciou sua aproximação com a área, através de um curso de Atendente de Enfermagem oferecido pelo Hospital de Saúde. Foi um primeiro passo, antes de ingressar na vida acadêmica da Universidade Federal de Pelotas, aprovado para o curso de Enfermagem, o qual realizou nas modalidades de Licenciatura e Bacharelado, formando-se no início dos anos 1980.

Do primeiro emprego como enfermeiro formado ao momento da fundação da Escola Profissional UNIPACS, foram duas décadas de amálgamas interculturais, passando pela experiência de enfermeiro no Hospital Beneficência Portuguesa e no Hospital Espírita de Alto Petrópolis, e como professor na Escola de Auxiliares de Enfermagem Jacy Porto, da Cruz Vermelha em São Leopoldo, quando supervisionou estágios nos hospitais da região Metropolitana de Porto Alegre. A Escola Jacy Porto encerrou suas atividades na cidade, mas em seu lugar Nazário com uma colega enfermeira fundaram a Escola de Enfermagem da Paz, assim denominada em razão do ano de 1986 ser o Ano Internacional da Paz, proposto pela ONU.

O intercurso entre os cursos específicos da nova escola e o futuro projeto de uma escola multiprofissional se relaciona com a transição na trajetória do biografado, após uma década de trabalho como servidor do Hospital Padre Jeremias, de Cachoeirinha, e gestor e professor na Escola da Paz. Prospectou outros cursos para além dos iniciais Enfermagem e Radiologia, de modo que a escola passou a contar gradativamente com cursos nas áreas de Nutrição, Meio Ambiente, Química, Segurança de Trabalho, Edificações, Administração, Contabilidade e Informática. Junto aos cursos se deu as diversas parcerias com hospitais, empresas e com prefeituras visando os estágios de curso. Fruto de um modelo de gestão e administração característicos de Antônio Nazário, o projeto da Escola Profissional se realiza com perspectiva de expansão e crescimento, em tempo de inventar e se reinventar.

 

 

Comentários