COLUNISTAS

Surrealismo

LUIS FERNANDO VERISSIMO / Publicado em 12 de maio de 2020

Verissimo - Surrealismo - Ilustração de Ricardo Machado - Maio 2020

Ilustração: Ricardo Machado

Ilustração: Ricardo Machado

“O mesmo governo que quase entregou a gerência da cultura brasileira
ao filofascismo escolheu para ministro da Educação alguém
sem nenhuma intimidade com a ortografia”

Roberto Alvim foi o escolhido por Bolsonaro & Filhos para ser ministro da Cultura. Não teve tempo de mostrar o que faria na pasta porque não sobreviveu à sua primeira apresentação como ministro, quando leu um texto inspirado parcialmente em Goebbels, o homem da Cultura do Reich nazista, com música de fundo de Richard Wagner, o compositor favorito de Hitler. A reação foi grande, e Alvim caiu no dia seguinte, para ser substituído dias depois pela Regina Duarte, que, supostamente, nunca leu Goebbels e prefere Wagner Tiso. Como tudo se resolveu rapidamente, não deu para meditar sobre a nomeação de Alvim e sua passagem fulminante pelo ministério, e principalmente seu significado como prenúncio do que viria a ser uma característica do governo que se iniciava, o surrealismo.

O mesmo governo que quase entregou a gerência da cultura brasileira ao filofascismo escolheu para ministro da Educação alguém sem nenhuma intimidade com a ortografia – um exemplo, entre muitos, do surrealismo que nos dominaria. A incrível guerra de egos que acabou com a troca do ministro da Saúde quando a situação mais precisava de união e continuidade ultrapassou o surrealismo e invadiu a área da demência. O presidente discursou numa manifestação que pedia a volta do AI-5, e portanto a queda do seu próprio governo, ou sua transformação numa paródia de governo com ele na frente, e discursou a favor do autogolpe. Ele declarou, para outra das aglomerações que o seguem por toda parte, espalhando coronavírus: “A Constituição sou eu”. Luís XIV tinha dito que o Estado era ele, Bolsonaro foi mais modesto. Um dos recursos do surrealismo é o da alteração da natureza das coisas. Relógios se derretendo como picolés etc. No surrealismo brasileiro, não surpreende que documentos se transformem em gente, e gente se transforme em antigos reis da França.

Existe coisa mais surrealista do que o palácio do Planalto, de onde um ex-capitão cercado por generais de fatiota comanda o país, desdizendo-se cada vez que um pronunciamento “pega mal”? Roberto Alvim assumindo a Cultura ao som de Richard Wagner até que tinha a sua lógica.

Comentários