COLUNISTAS

Rede de ódio, o filme

Por Marcos Rolim / Publicado em 17 de setembro de 2020
Rede de ódio: “A política no mundo contemporâneo não foi apenas alterada, ela foi destruída”

Foto: Jaroslaw Sosinski/ Naima Film/ Divulgação

Rede de ódio: “A política no mundo contemporâneo não foi apenas alterada, ela foi destruída”

Foto: Jaroslaw Sosinski/ Naima Film/ Divulgação

O longa polonês Rede de ódio (The Hater), de Jan Komasa (disponível na Netflix), é uma das obras de arte que revelam nossa época. No futuro, quando os historiadores tentarem entender o que ocorreu com o mundo quando os lunáticos passaram a dar cursos e os milicianos chegaram ao poder, esse filme será uma referência obrigatória.

A história se passa em Varsóvia, mas poderia ter ocorrido em qualquer cidade do mundo e diz respeito aos mecanismos de dominação e alienação que constituem o mundo das fake news e dos discursos de ódio na Internet. O que faz do filme algo surpreendente, entretanto, é que ele é contado a partir da perspectiva de um sociopata, o que permite compreender alguns dos mecanismos que preparam a violência, destacadamente o ressentimento.

No centro da trama está Tomasz Giemsa (em grande atuação de Maciel Musialowski), um jovem solitário de origem humilde à procura de emprego. Após humilhar-se diante de uma banca, ele é expulso do curso de Direito pela prática de plágio. O personagem é complexo, combinando fragilidade e ambição e sua conduta é de completa amoralidade e sedução. Tomasz consegue trabalhar em uma agência de marketing que destrói reputações (um gabinete do ódio). Ali, começa a revelar seus conhecimentos, além de uma crueldade particular, o que lhe dá algum reconhecimento. Ele deseja o amor de Gabi (Vanessa Aleksander), uma das filhas de uma família rica, culta e progressista que o ajuda. O problema é que ela não lhe oferece atenção e Tomasz percebe que suas chances amorosas são quase nulas.

As coisas se complicam quando a agência em que trabalha assume a conta de um candidato conservador que disputará a prefeitura e Tomasz passa a se aproximar do candidato progressista com o intuito de destruí-lo. Ele frequenta o comitê desse candidato, como se fosse um dedicado apoiador. Ao mesmo tempo, organiza campanhas homofóbicas e racistas contra ele na Internet, mobilizando grupos de supremacistas brancos, nacionalistas e amantes de armas de fogo. Com um desses sujeitos, um jovem infeliz que vive com sua avó e posta vídeos com armas na Internet, Tomasz começa a tramar algo ainda mais sério. O filme vai ganhando, então, o perfil de um thriller arrebatador.

Sabe-se que determinadas frustrações, inclusive de ordem sexual, estão na origem de atos violentos. Dollard, Miller, Doob, Mowrer e Sears são os pioneiros da chamada “Hipótese da frustração-violência” pelo trabalho Frustration and Aggression, de 1939.  A hipótese foi desenvolvida por outros pesquisadores como Berkowitz (Roots of aggression: A re-examination of the frustration-aggression hypothesis, 1969) e conta com muitas evidências empíricas. Os chamados “incels”, por exemplo, sigla para involuntary celibates (celibatários involuntários), formam um grupo especialmente perigoso quando se organizam na deep web, traduzindo suas frustrações em homofobia, no ódio às mulheres e ao feminismo e preparando atos de extrema violência como estupros e massacres. Esse tipo de interação é também um espaço para a cultura da morte, para a aversão a si mesmo, para a vingança e o suicídio. A explicação para a infelicidade, em fóruns com esse público, projeta uma espiral de desespero em que o sofrimento aparece como um destino definido pelo formato do crânio dos homens ou por sua altura.

A Internet ofereceu a base material para que propostas político-ideológicas pudessem organizar privadamente frustrações disseminadas em torno de uma “política do ressentimento”. Na Europa e nos Estados Unidos, essa política mobiliza, já há alguns anos, operários desempregados, agricultores que perderam posições no mercado, jovens com baixa escolaridade e moradores das periferias. O ponto inicialmente explorado pela direita populista foi a política quanto aos imigrantes.

Bodes expiatórios da crise econômica e social, os imigrantes foram apontados como uma ameaça real, capaz de, em um futuro breve, retirar dos nacionais sua autonomia. A mensagem, por isso mesmo, se traduziu rapidamente em discursos racistas. No caso brasileiro, o tema da imigração tem papel secundário, pelo menos por enquanto, mas encontramos a mesma retórica antissistema e a mesma avassaladora produção de um mundo virtual tóxico, povoado por teorias da conspiração, apelos à violência e ódio às instituições democráticas e aos direitos humanos.

Os que assistirem Rede de Ódio poderão perceber os elementos que nos permitem afirmar que a política no mundo contemporâneo não foi apenas alterada, ela foi destruída. Um processo cujo balanço nunca fizemos, talvez porque seja doloroso demais. O que temos no lugar da política é outra coisa, ainda não conformada totalmente, que exige do campo democrático posturas, ideias e atitudes completamente diferentes de tudo o que já foi feito e pensado. Infelizmente, não há indício de que os sujeitos políticos tradicionais sequer cogitem olhar para o abismo que se criou. Talvez, como disse Nietzsche, porque se olharmos profundamente para o abismo, o abismo também olha para dentro da gente.

Comentários