OPINIÃO

Interrogassões

FRAGA / Publicado em 16 de julho de 2021

Arte: Rafael Sica

Arte: Rafael Sica

Como não seria de bom tom sugerir que esses fdps investigados pela CPI da Covid fossem interrogados pela Inquisição ou pela versão mais atualizada dela, o método Brilhante Ustra, resolvi eu mesmo entrar de sola na sala do interrogatório. A CPI precisa deixar de ser boazinha, tem que ir mais fundo na carne dos corruptos. Eis algumas perguntas que, além de não quererem calar, exigem um megafone na orelha dos canalhas:

1) Sua excelência, sua mãe não lhe deu educação, não? Ela não lhe disse mil vezes que é feio roubar, hein?! De quem veio esse seu apurado senso estético que vê beleza na apropriação indébita? Responda, seu miserável!

2) Tirando a punheta, quantos novos atos sacanas o senhor desenvolveu por baixo do pano? Quantos aplicou no mercado?

3) O nobre colega sabe a diferença entre cleptomania e se aproveitar dos indefesos cofres públicos? E entre pungar idosos e roubar pirulito de criança? Queremos medir a sua ética na roubalheira.

4) Senhor, quantas vezes já tirou troco a mais da carteira do ceguinho que vende bilhete e jogo da loteca? Quantas? Não ouvi, fale mais alto!

5) Desde que ano escolar o senhor começou a mostrar esse obsessivo interesse por sinônimos como falcatrua, mutreta, negociata, maracutaia? Não minta, sua professora de português vai depor a seguir!

6) Esse seu incontrolável cacoete de babar toda vez que ouve falar a palavra propina – pare de babar, não terminei a pergunta! –, o senhor já tentou tratar? Diga o nome do seu analista, queremos o parecer dele!

7) E aquela história de obrigar um tatuador a desenhar “vergonha” na face direita para provar a todos que o ilustre parlamentar não era um desavergonhado? Por que saiu da loja sem pagar? E por que depois mandou apagar? E por que não pagou o procedimento clínico, porra?!

8) Onde vossa senhoria conseguia notas falsas para pagar os 10% dos funcionários no esquema da rachadinha no seu gabinete? E desde quando deixou de pagar os costumeiros 15%, que todo parlamentar rachadista costuma pagar?

9) Conte em detalhes para esta comissão sobre o curso de prevaricação que o senhor fez no Congresso, mas fugiu sem dar aula nenhuma e muito menos os prometidos certificados. Suas vítimas não deram queixa, mas você lembra os nomes, não lembra? Não proteja ninguém, seu infeliz!

10) Sua excelência nega que tenha laranjas nos seus negócios imobiliários. Mas queremos saber o seguinte: por que seus colegas corruptos o acusam de ter a maior concentração de laranjas, e que não sobra nenhum para eles?

11) Alguém da editoria do livro Guinness costuma contar em jantares que o senhor o sondou para saber se poderia inscrever o recorde de maior superfaturamento no Brasil. De quanto era esse valor?

Etc etc etc. A comissão tem que ser muito mais dura com essa gente.

Comentários