SAÚDE

Hepatite C e o transplante de fígado em painel

A hepatologista Gabriela Coral e o músico Bebeto Alves, transplantado há nove anos, tratam do assunto nesta quarta-feira, 20, às 19 horas, ao vivo pelo canal da Fundação Ecarta no Youtube
Por Redação / Publicado em 18 de julho de 2022

Foto: Arquivo Pessoal

A médica Gabriela Coral

Foto: Arquivo Pessoal

No painel desta quarta-feira, 20, o Cultura Doadora reúne a médica hepatologista Gabriela Coral, chefe do Serviço de Gastroenterologia da Santa Casa de Porto Alegre, para falar sobre hepatite C,  suas implicações e cuidados, e o músico gaúcho Bebeto Alves, que contará sobre o processo que passou do diagnóstico da doença, em 1998, ao transplante, realizado em 2013.

O painel será transmitido ao vivo pelo canal da Fundação Ecarta no Youtube, às 19h.

A hepatite C é considerada uma epidemia mundial e o Rio Grande do Sul é o estado com a maior taxa de detecção da doença no país. São 46,5 casos a cada 100 mil habitantes. Porto Alegre também é a capital campeã nesse ranking. A cada 100 mil pessoas, 91 tem hepatite C no município.

A doença pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns medicamentos, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas ou genéticas.

Uma característica da hepatite C é o fato de que, na maioria dos casos, essa inflamação começa de forma assintomática e a tendência é desenvolver a forma crônica da doença.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas uma em cada 20 pessoas com hepatite viral sabe que está doente e só uma em cada 100 com a doença está recebendo tratamento.

Foto: Simone Schlindwein

Bebeto Alves, músico, passou por transplante em 2013

Foto: Simone Schlindwein

Muitas das pessoas infectadas acabam em lista de espera por transplante

Neste ano (até maio), foram realizados 40 transplantes no estado. Em 2021, foram realizados 129 transplantes de fígado no estado; em 2020, 148; e, em 2019, 142.

Em maio de 2022, a lista de espera por um transplante de fígado no RS era de 133 pessoas, segundo dados da Central de Transplantes do RS.

No país, foram 2033 transplantes de fígado em 2021, 2067 em 2020 e 2259 em 2019, o maior número anual desde o início dos transplantes desse órgão, de acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (Abto).

Cultura Doadora

O projeto Cultura Doadora foi criado há 10 anos pela Fundação Ecarta para sensibilizar para a doação de órgãos e buscar melhorias na estrutura médico e hospitalar.

Escolas, associações e empresas interessadas em abordar o tema com seus públicos podem entrar em contato com o projeto pelo e-mail culturadoadora@fundacaoecarta.org.br e fone 51. 4009.2970.

Leia também

Por que o Rio Grande do Sul é líder há décadas em Aids e outras doenças?

Comentários

Siga-nos