CULTURA

Festival Internacional de Videodança segue até domingo, 18, na Fundação Ecarta

Mostra exibe 47 videodanças selecionados entre 142 inscritos de 27 países. Visitação gratuita, entre 10h e 18h
Por Redação / Publicado em 15 de setembro de 2022

Foto: Reprodução

Detalhe de Sylphides 3.1 (2022, 4_), de Diego Mac – Porto Alegre, RS, Brasil

Foto: Reprodução

Encerra no próximo domingo, 18, o terceiro Festival Internacional de Videodança (Fivrs), em exposição na Fundação Ecarta, em Porto Alegre (Avenida João Pessoa, 943). Participam 47 videodanças selecionados entre 142 inscrições de 27 países e 16 estados brasileiros em duas salas no segundo andar. Visitação gratuita, entre 10h e 18h.

São trabalhos da Alemanha, Argélia, Argentina, Áustria, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Israel, Itália, Malásia, México, Polônia, Portugal, Rússia, Tanzânia, Uruguai e Venezuela.

Os vídeos estão classificados em quatro categorias: Dançando a gira da vida, Corpografias insurgentes, Terras e corporalidades em transe, combinam as linguagens das artes do vídeo e da dança em temáticas livres com duração de até dez minutos cada um, totalizando cerca de 4h30 de duração. O trailer pode ser visto na página do Fivrs no Youtube.

Os trabalhos foram apreciados pela comissão avaliadora de cinco especialistas de quatro países formada por Alexandra Dias (Brasil), Ana Sedeño Valdellós (Espanha), Daniel Aires (Brasil), Denis Angola (Brasil/Finlândia) e Natacha Muriel López Gallucci (Argentina/Brasil).

A primeira edição, em 2020, exibiu 25 produções de um total de 81 inscritos, de nove países e 10 estados do Brasil. A segunda edição apresentou 45 trabalhos, sendo 25 produções nacionais provenientes de 10 estados e 20 trabalhos oriundos de 13 diferentes países, selecionados entre um total de 139 inscrições.

O Festival vem se consolidando rapidamente e ampliando sua abrangência sem, no entanto, deixar de ser um olhar situado acerca da linguagem da videodança e de suas implicações no campo das artes regionais e nacionais.

A realização é do Programa de Pós-graduação Mestrado em Artes Visuais e do Curso de Dança da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e da Fundação Ecarta.

Trabalhos selecionados para a 3ª edição

4’33” Of Sentence (2022, 04’33), de Silvia Marcantoni Taddei e Massimo Sannelli – Gênova, Itália

A Portrait (2022, 7’12), de Vilma Tihilä e Kauri Sorvari – Helsinque, Finlândia

A que passo você está de perder o controle? (2020, 2′). de Pedro Carcereri e Rômulo Vlad – Juiz de Fora, Brasil

Acerca de una desolación (2021, 10′), de Martín Alonso A. Reyes Catalina Balcázar – Punta Arenas, Chile

Anamnese (2021, 7′), de Sarah Gouveia de Assunção e Nathaly Benicio Lima dos Santos – São Paulo, Brasil

Anhelo – Flores a Oxum (2021, 3’28), de Dinah Schonhaut, Dolphin X-Ray, Guido Piotrkowski e Eva Soibelzohn – Buenos Aires, Argentina

Ballet Pandémico Establet (2020, 10′), de Silvina Helena Grinberg, Diego Marcelo Gómez, Liza Karen Taylor e Martín Berra – Buenos Aires, Argentina

Caixa de areia (2020, 3’07), de Diogo Angeli Theotonio – Campinas, Brasil

Confinamento (2021, 7’18), de Fernando Vidal – Araucária, Brasil

Crónicas de cuatro cuerpos en un espacio sin contexto (2021, 8’38), de Fausto Jijón Quelal e Ángel Ruiz – Ciudade do México, México

Cura ancestral (2022, 5’53), de Monica Seffair, Wilton Oliveira (imagens), Keandro Santos (edição de imagens) – Parintins, Brasil

De cuerpos y heridas (2021, 7’30), de Sandra Camila Torres Ferrer e Sofia Estupiñán – Bogotá, Colombia

Desmoronamento da Vontade pela Vontade (2020, 2’29), de Carolina Cony Dariano da Rosa e Ricardo Dias Gomes (música) – Rio de Janeiro, Brasil

Desyerbe (2020, 1’37), de Miguel Ángel González – Colômbia, Bogotá

Duo de Sune (2022, 5’14), de Sâmya de Lima, Matheus Carneiro e David Leão – Fortaleza, Brasil

Erêkauã (2021, 1′), de Paulo Accioly Lins de Barros – Maceió, Brasil

Esistenza x Gioia (2022, 8’44), de Andrea Hackl – Amsterdam, Holanda

ExiT (2021, 5’45), de Simone Cita Kieltyka e Peter Heinrichs – Colônia, Alemanha

Falar demais, chiclete azeda (2022, 3’20), de Luiz Guilherme Guerreiro, Cacau Gondomar, Casul, Cayo Almeida, Diogo Nascimento, Giselda Fernandes, Hilton Berredo, Ique Moraes, Luciana Barros, Luiz Guilherme Guerreiro, Maicon Lima, Mana Lobato, Marlúcia Ferreira, Raquel Oliveira, Samy, Tais Almeida e Wagner Cria – Rio de Janeiro, Brasil

Fresta Poética:Tempo (2022, 7’25) Dança sem Fronteiras, Fernanda Amaral (direção), Fernanda Amaral e Felipe Oliveira (concepção), Ana Mesquita, Fernanda Amaral, Lucinéia Felipe, Gabriel Domingues, Icaro Rodrigues Grave, Carmen Estevez (performance), Cintia Domingues (artista convidada), Sérgio Zurawski (Música) – São Paulo, Brasil

Grapiúna (2021, 7′), de Giltanei Amorim (concepção e Argumento), Aldren Lincoln e Giltanei Amorim (roteiro), Aldren Lincoln, Gilmar Silva, Giltanei Amorim, Verusya Correia (elenco), Victor Quixabeira e Souza (direção de fotografia e montagem), Táken Roveran (Imagens aéreas), Wilson Oliveira (fotografia still), Chico Neves (trilha sonora) – Pojuca, Brasil

Heart beats (2021, 4’07), de Anabella Lenzu – Argentina/New York, USA

Heart of Glass (2021, 5’08), de Clara Vieira Silveira,Bolívar Alencastro e Ricardo Tetzner – Florianópolis, Brasil

Innesti (Grafts) (2021, 8′), de Filomena Rusciano – Sant’Agata De’ Goti, Itália

Límites (2020, 5’28), de Paula Quintas Santos e Margherita Morell – Santiago de Compostela, Espanha

Limítrofe (2021, 2’54), de Luiz André Cancian e Letícia Guimarães – Garibaldi, Brasil

Monster (2021, 1′), de Mwinyimkuu Abdallah Mwinyimkuu – Zanzibar, Tanzânia

Murmullos (2020, 2’45), de Diego Martínez, Guadalupe González e Jerónimo Barriga – Cidade do México, México

Na árvore preta da minha deusa (2022, 4′), de Cristina Barreto de Menezes Lopes, Mateus Huber e Mariel Azoubel – Campinas, SP, Brasil

Niebościan. Freedom lives in a head (2022, 4’59), de Jagoda Turlik – Varsóvia, Polônia

Noisy actions (2022, 10′), de Osvaldo Cibils – Uruguai/Barcelona, España

NowHere (2022, 5’13), de SueKi Yee – Malásia/Kiel, Alemanha

One Two Three (2020, 10′), de Victoria Donnet – Miscon, França

Rassvet (2022, 4’33), de Jader Monteiro e Ester Magalhães – São Paulo, Brasil

Reflexo (2022, 3’08), de Davidson José Martins Xavier, Bernardo Morais e Caju Mateus brasileira – Aparecida de Goiânia, Goiás, Brasil

Renascente (2022, 8′), de André Rosa, Ana Cláudia Viana (performance), Meyriane Costa (voz em off), Gustavo Wanderley (roteiro e direção) – Natal, Brasil

Retalhos: quando a cidade nos atravessa (2022, 8’52), de Maryah Monteiro, Diego de Almeida, Douglas Froemming, Maryah Monteiro – São Paulo, SP, Brasil

Ruína do Futuro (2022, 4’50), de Ramon Zagoto, Dorottya Czakó, Bárbara Veronez, Gabriela Moriondo e Marcos Neves – Vitória, Brasil

Saída 124 F (2020, 9’03), de Bruno Alexandre, Teixeira Alarcon, Bruno Alarcon, Clarissa Monteiro, Diego Pires, Hector Souza, Jaqueline Silva, Letícia Teixeira, Luiz Fernando Picanço, Mariane Araújo, Marília Gabriela Sales, Matheus Leitão, Maycon Douglas, Nália Costa e Thiago Aguiar – Duque de Caxias, Brasil

Seliberation #2 (2021, 5’53), de Estela lapponi – São Paulo, Brasil

Sonho de valsa (2022, 4’30), Joana Ribeiro e Paulo Motta (direção e roteiro), Joana Ribeiro (performance), Paulo Motta (montagem), Joana Ribeiro (fotografia), Maria Helena Del Pozzo (piano) – Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil

Sylphides 3.1 (2022, 4′), de Diego Mac – Porto Alegre, RS, Brasil

Tactile: the part of the body (2021, 6’30), de Gabriel Ledón Flores – Tijuana, Baja California, México

Toda força que habita (2021, 5’11), de Marcelo Cabrera, Tati Missel, Airton Tomazzoni – Imbé, Brasil

Vers la flamme (2021, 6′), de Blas PAYRI – Valência, Espanha

View behind the curtain (2021-2022, 6’06), de Johannes Christopher Gerard e Jana Schmück – Holanda/Alemanha

Within (2021, 8’04), de Anna Bajjou – Polônia.

Comentários

Siga-nos