EDUCAÇÃO

Professores aprovam acordo e encaminham próxima negociação

No final de fevereiro, docentes da Uergs e Liberato aprovaram em suas Assembleias proposta conjunta para acordo apresentada pelo governo do Estado, referente ao período de março de 2019 a março de 2020
Da Redação / Publicado em 10 de março de 2020
Assembleia de professore da Uergs realizada em fevereiro no Sinpro/RS

Foto: César Fraga/AsCom Sinpro/RS

Assembleia de professores da Uergs realizada em fevereiro no Sinpro/RS

Foto: César Fraga/AsCom Sinpro/RS

Nos dias 26 e 27 de fevereiro, respectivamente, os professores da Fundação Liberato, de Novo Hamburgo, e da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) aprovaram em suas Assembleias proposta conjunta para acordo apresentada pelo governo do Estado, referente ao período de março de 2019 a março de 2020.

Na proposta está a extinção dos quinquênios, a não incorporação da função gratificada e a alteração da data do pagamento do segundo para o quinto dia útil. Em 2019, os professores não tiveram reajuste salarial, porém a proposta para acordo reconhece o percentual de 3,94% para o reajuste dos salários e das cláusulas sociais com repercussão econômica. Este percentual será objeto da negociação a partir deste mês, data-base da categoria. Junto com a resposta ao governo do Estado da decisão das Assembleias será solicitada a retomada das negociações 2020 a partir da segunda quinzena de março.

“A vigência do acordo é retroativa a março de 2019 e se estenderá por mais 60 dias, até 30 de abril de 2020”, explica Amarildo Cenci, diretor do Sinpro/RS. Ele destaca, ainda, que as Assembleias também definiram um calendário de mobilização para os próximos meses com vistas à recuperação das perdas do período, que somadas ao INPC de março próximo deverá totalizar 8% do salário.

“No último dia 2 de março, foi realizada uma reunião conjunta do Sinpro/RS e associações de professores com o Sindicato dos Empregados em Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e de Fundações Estaduais do Rio Grande do Sul (Semapi), em que ficou definido um calendário de mobilização conjunta para os próximos dois meses, tendo como pauta central a recuperação salarial, e evitar com isso que se consolide o arrocho imposto pelo governo”, relata o diretor.

Na Assembleia da Uergs, além das questões salariais, foram deliberadas iniciativas para maior aproximação com a comunidade e engajamento dos estudantes, manifestações permanentes de repúdio junto aos deputados que apoiam a retirada de direitos dos servidores, apoio e participação no dia 18 de março, Dia Nacional em Defesa do Serviço Público, Educação, Emprego e Agricultura familiar.

Também foi aprovado o percentual de 2% a título de contribuição/taxa negocial no salário de agosto.

 

Comentários