EDUCAÇÃO

Sistema S amplia oferta de escolas

A ampliação de vagas escolares no Sistema S gaúcho traz um consequente crescimento no mercado de trabalho e ofertas de ensino profissionalizante
Por Marcelo Menna Barreto / Publicado em 11 de julho de 2022
Sistema S amplia oferta de escolas

Foto: Dudu Leal/Sesi/ Divulgação

Escola Sesi de São Leopoldo

Foto: Dudu Leal/Sesi/ Divulgação

Segundo o diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS) Cássio Bessa, a oferta é consequência da mudança do Novo Ensino Médio, onde o segmento tem experiência com seus cursos técnicos.

Não é para menos. No último dia 25 de maio, um investimento de R$ 300 milhões na educação regional foi anunciado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs).

O aporte que se dará por meio do Serviço Social da Indústria do Rio Grande do Sul (Sesi/RS) prevê a construção de seis escolas de Ensino Médio em tempo integral nos municípios de Bento Gonçalves, Canoas, Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Lajeado e Santa Cruz do Sul.

Também nos planos, a ampliação da estrutura focada nesse segmento em Pelotas.

Ao todo, quando entrarem em operação, essas unidades deverão gerar 2,4 mil novas vagas para estudantes e 300 empregos diretos.

INVESTIMENTO – Nos recursos do programa que foi denominado A Indústria Pela Educação, ainda estão contempladas a criação de um instituto de formação de professores em Porto Alegre e a ampliação e reformulação do chamado contraturno tecnológico.

No primeiro caso, o objetivo, de acordo com a apresentação realizada no anúncio do programa, são a capacitação e a qualificação de educadores de escolas públicas e privadas.

O segundo, visa atender a crianças de seis a 15 anos no turno inverso à escola. Terá como enfoque o pensamento computacional. Um total de mil novas vagas será criado, e cinco mil alunos serão beneficiados.

O programa A Indústria Pela Educação é o maior investimento na área educacional feito pelo Sesi/RS em seus 75 anos de história. O desembolso do programa já deve começar em 2022 com o lançamento do instituto de formação de professores.

INDÚSTRIA E EDUCAÇÃO – No lançamento do programa, o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry, destacou: “As nações hoje desenvolvidas já mostraram que a indústria e a educação formam a base para uma sociedade próspera”. No cronograma do Sesi/RS, a expectativa é que as primeiras escolas que serão construídas entrem em operação em 2025. O público-alvo são filhos de trabalhadores da indústria, que poderão receber bolsas integrais e parciais.

A primeira escola de Ensino Médio do Sesi/RS iniciou sua operação no ano de 2014, em Pelotas. Após, mais quatro unidades foram agregadas: Sapucaia do Sul, Gravataí, Montenegro e São Leopoldo. Com as novas unidades, a rede Sesi/RS no ensino médio passará a contar com 11 escolas.

O Sesi/RS ainda mantém cursos de Ensino de Jovens e Adultos (EJA) na modalidade a distância. Eles são destinados aos anos finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º) e Ensino Médio.

Know-how favorece expansão

Para Cássio Bessa, o mais recente boom de investimentos do Sistema S no estado se dá, principalmente, devido às mudanças na Base Nacional Comum Curricular do Brasil (BNCC), a qual estimula o foco no desenvolvimento de competências, alinhadas às demandas do mundo contemporâneo, e o compromisso com a educação integral, conforme as necessidades, possibilidades e interesses dos estudantes.

A BNCC estabelece cinco itinerários formativos para o ensino médio. Um deles, o quinto, é a educação profissional.

“Como o sistema tem know-how de formação profissional, está oferecendo esse itinerário da educação profissional no ensino médio de forma integrada”, explica.

É exatamente isso que motivou o Serviço Social do Comércio do Rio Grande do Sul (Sesc/RS e Senac/RS) a estabelecer neste ano, no estado, o EAD EJA – Ensino Médio.

São 2.500 vagas ofertadas para jovens e adultos que queiram a oportunidade de cursar o ensino médio a distância e, ao mesmo tempo, obter qualificação profissional em produção cultural.

Abrangendo todas as matérias do ensino médio, mais as necessárias para a formação técnica, o EAD EJA – Ensino Médio é gratuito e tem a duração de 18 meses.

Paralelo ao ensino a distância, é realizado um encontro presencial obrigatório por semana em um polo de apoio. Os estudantes também têm acesso às atividades de cultura, esporte e lazer oferecidas pelo Sesc. A ideia, especificamente nas atividades culturais, é assistir e aprender como faz, conforme explica a instituição.

Além do EAD EJA, corroborando com a tese do dirigente do Sinpro/RS, o Sesc/RS implantou o ensino fundamental regular, presencial, em três escolas próprias.

Em Santa Maria e Novo Hamburgo, o início se deu em 2021. Neste ano, Santa Cruz do Sul passou a contar com uma unidade de ensino fundamental do Sesc/RS.

A nova BNCC começou a vigorar na educação infantil e no ensino fundamental em 2020. Em 2021, tornou-se obrigatória também no ensino médio.

O que é o Sistema S

O Sistema S, como é conhecido, é o conjunto de instituições que recebem recursos da tributação de empresas de diversos setores para viabilizar assistência social, cultura, lazer, treinamento profissional e serviços de educação no Brasil. Todas se iniciam com a letra S e remontam à década de 1940, com exceção do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), criado em 1972, e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), em 1991.

O Sesi e o Sesc são os dois Ss que, além da formação de mão de obra técnica, também atuam na educação básica, no ensino fundamental e médio.

A Rede Sesi se estabeleceu em 1946 com o foco no ensino voltado ao mercado de trabalho e ao desenvolvimento da indústria brasileira.

Em sua abrangência nacional, o Sesi reúne hoje mais de 500 escolas de educação básica e formação continuada em todos os estados do país.

Já o Sesc/Senac passou a atuar na educação em 1947. Sua ação vai desde a alfabetização até a atualização profissional.

A educação básica é ofertada no ensino infantil, fundamental e médio em 213 unidades distribuídas no território nacional. A exceção é o estado de São Paulo, que trabalha a educação não formal em seus espaços de cultura e lazer durante o contraturno das aulas.

No Sesc, o ensino fundamental passou a ocorrer, respectivamente, em 1995 e 1997 nos estados do Amazonas e Mato Grosso.

No entanto, a expansão para os demais estados que incluiu o ensino médio começou a partir de 2000.

Cássio Bessa diz que o Sinpro/RS tem acompanhado esse crescimento. Ao todo, Sesi, Senai, Sesc e Senac empregam 484 professores.

Esses docentes integram a base do Sindicato nas 36 escolas que compõem a rede das três instituições e que estão sediadas em 27 municípios gaúchos.

Comentários

Siga-nos