GERAL

Registros de violência doméstica e sexual contra mulheres crescem no Brasil

Dados do Anuário de Segurança Pública demonstram agravamento de todos indicadores de violência de gênero no país
Da Redação / Publicado em 29 de junho de 2022

Envios diários

Envios diários

Envios diários

Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil/ Arquivo

Dados do 16º Anuário de Segurança Pública sobre violência revelam aumento nos indicadores de violência doméstica e sexual no país

Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil/ Arquivo

 

 

O levantamento revela aumento generalizado nos indicadores de violência de gênero no país no último ano. Nos casos de agressões (0,6%), ameaças (3,3%), chamadas ao 190 (4%) e pedidos de medidas protetivas de urgência (13,6%) de mulheres vítimas de violência doméstica.

Além disso, a violência sexual escalou 4,2% comparada ao ano anterior. E, pela primeira vez, o estudo reuniu dados sobre perseguição (stalking) contra as brasileiras.

As violências contra meninas e mulheres cresceram no país, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022.

Casos de estupro somaram 66.020, 4,2% a mais do que no ano anterior, sendo que 75,5% das vítimas eram vulneráveis, incapazes de consentir com o ato sexual.

A maioria, 61,3%, tinha até 13 anos e em 79,6% dos casos o autor era conhecido da vítima.

Quanto ao crime de perseguição ou stalking, o número chega a 27.722 em 2021, crescimento de 35,8%; já a violência psicológica contra mulheres somou 8.390 casos, com aumento de 17,6% comparado a 2020.

Arte: Instituto Patrícia Galvão

Arte: Instituto Patrícia Galvão

Violência contra população LGBT

Na próxima quinta-feira, 30 de junho, às 17h, o Instituto Patrícia Galvão promove o webinário Violência contra a população LGBTQIA+: da invisibilidade às reações contra o apagamento, com as participações da professora de Psicologia do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) Jaqueline Gomes de Jesus e da pesquisadora e ativista Suane Felippe Soares.

O encontro será transmitido pelos canais da Agência no YouTube e Facebook e terá mediação das diretoras do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo e Marisa Sanematsu.

 

Indicadores da violência doméstica e sexual

230.861 agressões por violência doméstica. Aumento de 0,6%.

597.623 ameaças. Aumento de 3,3%.

619.353 chamadas ao 190. Aumento de 4%.

370.209 Medidas Protetivas de Urgência concedidas. Crescimento de 13,6%.

Sobre violência sexual

Dados revelam 66.020 estupros no país em 2021. Aumento de 4,2% dos casos, sendo que 75,5% das vítimas eram vulneráveis, incapazes de consentir com o ato sexual. 61,3% das vítimas de violência sexual tinham até 13 anos e em 79,6% dos casos o autor era conhecido da vítima.

Os casos de assédio somaram 4.922, aumento de 2,3% e importunação sexual foram 19.209, aumento de 9% em relação ao ano anterior.

Perfil dos feminicídios

Foram registrados 1.341 casos de feminicídio em 2021, sendo 68, 7% entre 18 a 44 anos, 65, 6% morreram dentro de casa e 62% das mulheres vítimas eram negras. O autor dos feminicídio em 81,7% dos casos foi o companheiro ou ex-companheiro.

Sobre perseguição (stalking) e violência psicológica

Pela primeira vez no levantamento, os casos de perseguição ou stalking somaram 27.722 registros em 2021, crescimento de 35,8% e de violência psicológica contra mulheres indicaram 8.390 casos, com aumento de 17,6%.

Sobre violência contra população LGBTQIA+

Aumento de agressões 35,2%, 7,2% nos homicídios e 88,4% nos estupros.

Comentários

Siga-nos