GERAL

Morre o Cardeal Dom Cláudio Hummes

Defensor dos pobres, trabalhadores e indígenas, Dom Cláudio Hummes influenciou na escolha do nome de Francisco pelo cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, eleito Papa em 2013
Por Marcelo Menna Barreto / Publicado em 4 de julho de 2022

Envios diários

Envios diários

Foto: Vatican News/ Divulgação

Arcebispo emérito da Arquidiocese de São Paulo, Dom Cláudio Hummes deixa legado de luta pelos trabalhadores

Foto: Vatican News/ Divulgação

A Arquidiocese de São Paulo informou no final da manhã dessa segunda-feira, 4, a morte do seu arcebispo emérito, Cardeal Dom Cláudio Hummes, aos 87 anos de idade.

O religioso teve um importante papel no conclave que elegeu o Papa Francisco em 2013.

O próprio pontífice, em entrevistas, confirmou que escolheu seu nome após Dom Cláudio ter sussurrado ao ouvido dele no momento que seu nome avançava na eleição para que não esquecesse dos pobres. Dom Cláudio também teve destaque nas lutas operárias.

Segundo nota da Arquidiocese de São Paulo, Dom Cláudio morreu após “prolongada enfermidade, que suportou com paciência e fé em Deus”. Em março deste ano, ele renunciou à presidência da Conferência Eclesial da Amazônia (Ceama), diante do agravamento de um câncer no pulmão.

Dom Cláudio ainda foi arcebispo de Fortaleza e, de 2006 a 2011, foi prefeito da Congregação para o Clero no pontificado de Bento 16.

Ele nasceu no município gaúcho de Montenegro, em 8 de agosto de 1934. Filho de Pedro Adão Hummes e Maria Frank Hummes, seu nome original era Auri Afonso.

Em 1952, ingressou na Ordem dos Frades Menores (OFM). Por ocasião dos seus votos solenes, em 1956, mudou seu nome para Cláudio.

Hummes e os trabalhadores

Foto: Ricardo Giraldez/Arquivo Público do Estado de São Paulo

Hummes participou da assembleia dos metalúrgicos no estádio Vila Euclides, em São Bernardo, durante a histórica greve de 1979

Foto: Ricardo Giraldez/Arquivo Público do Estado de São Paulo

Em 1979, na grande greve geral dos metalúrgicos do ABC, com Lula à frente do sindicato, Dom Cláudio participou da assembleia realizada no estádio de Vila Euclides, quando os operários decidiram se manter parados apesar das pressões do governo militar.

Na época, o religioso ainda não era cardeal. Bispo de Santo André, município do ABC paulista, ele rezou no estádio o “Pai Nosso” em coro com os trabalhadores. A greve do ABC já havia se alastrado para outras cidades industriais, como São José dos Campos (SP).

Quando as portas do Sindicato dos Metalúrgicos foram fechadas pelos militares para a realização das assembleias por fábricas da categoria, Dom Cláudio permitiu que as reuniões fossem realizadas nos templos católicos.

O então bispo afirmava que a igreja nunca incentivou a greve. Segundo ele, o verdadeiro e único incentivador foi o salário-mínimo baixo do governo. Em documento, Dom Claudio disse que a pobreza era produzida pelo sistema e que a greve dos metalúrgicos foi recebendo um grande apoio de outros fora do ABC.

Ao lado do Papa

Foto: Julio Caldeira/Instituto Missões Consolata/Divulgação

Hummes, com o argentino Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco que ele influenciou em defesa dos pobres

Foto: Julio Caldeira/Instituto Missões Consolata/Divulgação

Em coletiva à imprensa após sua eleição no Conclave de 2013, Francisco lembrou que estava sentado ao lado de Dom Cláudio que lhe sussurrou: “não esqueça dos pobres”, quando seu nome se encaminhava para a eleição. “Aquela palavra entrou na minha cabeça: os pobres. Pensei em Francisco de Assis. Depois pensei nas guerras, enquanto a apuração prosseguia. E Francisco é o homem da paz. E assim o nome saiu do meu coração: Francisco de Assis. Como eu queria uma Igreja pobre, para os pobres”, lembrou o Papa.

Francisco ainda solicitou a Dom Cláudio que assumisse a presidência da Ceama no período em que se organizava o Sínodo da Amazônia, que ocorreu em 2019, em Roma.

No Sínodo, o Cardeal defendeu a demarcação das terras indígenas. “Nós sabemos que, para os indígenas, isso é fundamental. Também as reservas geograficamente delimitadas são importantíssimas para a preservação da Amazônia”, defendeu em coletiva de imprensa realizada no Vaticano na ocasião.

Comentários

Siga-nos