MOVIMENTO

Campanha denuncia cultura feminicida e número alarmante de mortes de mulheres no Brasil

Mulheres de Norte a Sul do país se mobilizam em frente feminista para denunciar que está em curso uma guerra sangrenta contra as brasileiras
Da Redação / Publicado em 25 de março de 2021
O Brasil ocupa o quinto lugar entre as nações com maior incidência de feminicídios no mundo

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/ Arquivo

O Brasil ocupa o quinto lugar entre as nações com maior incidência de feminicídios no mundo

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/ Arquivo

Embora o crime de feminicídio esteja tipificado no Código Penal desde 2015, o assassinato de mulheres – apenas por serem mulheres – cresce diariamente no Brasil.

No primeiro semestre de 2020, ano em que a pandemia de covid-19 se alastrou pelo mundo, impondo a necessidade de isolamento social, foi registrado aumento de 1,9% desse crime de ódio, de acordo com dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020. Naqueles primeiros seis meses, foram mortas 648 brasileiras, a maioria negras e que viviam em desigualdade social.

Dados como esses e a falta de políticas públicas se agravam em um país que já ocupava o 5º lugar entre as nações que mais matam suas mulheres. Essa é a posição do Brasil em uma lista da Organização Mundial da Saúde (OMS) de países com maior número de feminicídios, atrás apenas de El Salvador, Colômbia, Guatemala e da Rússia.

Com o objetivo de denunciar a omissão do Estado e exigir a proteção da vida delas, nasce o Levante Feminista contra o Feminicídio, frente suprapartidária que lançará nesta quinta-feira, 25, a campanha Nem Pense em Me Matar, apoiada nesta ideia: Quem mata uma mulher mata a humanidade!

A articulação foi iniciada por Vilma Reis, socióloga, referência dos movimentos negros no país, integrante da Coalizão Negra Por Direitos; Marcia Tiburi, filósofa, escritora e artista; e Tania Palma, pesquisadora e assistente social.

Ação coletiva pela vida das mulheres

Frente Levante Feminista contra o Feminicídio lança campanha "Nem pense em me matar"

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/ Arquivo

Frente Levante Feminista contra o Feminicídio lança campanha “Nem pense em me matar”

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/ Arquivo

O Levante, que rapidamente ganhou corpo, é formado por cerca de 200 pessoas que se articulam remotamente para a construção de uma ação conjunta pela vida das mulheres. Entre elas, estão mulheres negras, indígenas, quilombolas, ribeirinhas, das águas, das florestas, antiproibicionistas, parlamentares, dos movimentos LBTQIA+ e de outros segmentos das organizações populares e da sociedade civil.

Em manifesto construído de forma coletiva e tornado público no dia 12 de março, a frente pontua de forma contundente que a existência de uma “cultura de ódio” direcionada às mulheres brasileiras precisa chegar ao fim, e que a prática do crime de feminicídio “nunca esteve tão ostensiva e extremista” quanto agora, no governo de Jair Bolsonaro, e sobretudo no contexto da pandemia do novo coronavírus. Em três dias, o documento obteve mais de 8 mil assinaturas.

Entre as denúncias, o Manifesto afirma que “ideias e atitudes misóginas transformaram-se em comportamento aceito e legitimado pela sociedade, contaminando o Executivo, o Legislativo e o Judiciário capaz de sentenças sexistas e de ressuscitar arcaicos argumentos da ‘legítima defesa da honra’ e da ‘passionalidade’ como uma espécie de ‘mérito’ para absolver criminosos. Isso confirma a negligência e inoperância do Estado Brasileiro no enfrentamento à violência contra as mulheres”.

Traça também o perfil dos matadores: “são homens que não admitem a autonomia, a igualdade e a liberdade das mulheres. São machistas, violentos que querem a redomesticação e o afastamento das mulheres da vida pública…”; “usam a violência física, psicológica, moral, sexual e patrimonial contra mulheres e seus filhos até o extremo, que é o ato do feminicídio”.

Levante pela vida das mulheres e pelo fim do feminicídio

"O patriarcado é um juramento de morte contra as mulheres pelos mais diversos motivos, sempre torpes", afirma a filósofa Marcia Tiburi

Foto: Divulgação

“O patriarcado é um juramento de morte contra as mulheres pelos mais diversos motivos, sempre torpes”, afirma a filósofa Marcia Tiburi

Foto: Divulgação

Marcia Tiburi conta que a ideia de se juntar a outras mulheres contra esse crime de ódio surgiu exatamente pela urgência em combater o desamparo e a negligência. “O patriarcado é um juramento de morte contra as mulheres pelos mais diversos motivos, sempre torpes”, afirma.

A filósofa espera criar, com suas companheiras, condições para superar a velha cultura feminicida. “Trata-se de uma guerra sangrenta que precisa parar.

O que desejamos com a nossa campanha é estancar esse banho de sangue que vem sendo promovido pelo machismo e pela espetacularização da violência que dele faz parte”, ressalta.

A campanha, que está em ebulição nas redes sociais, terá ações pontuais em cada estado, organizadas pelas mulheres que vivem e conhecem a realidade específica do feminicídio em cada lugar.

Para isso, estão sendo criados materiais de comunicação, exaltando a imagem dos girassóis amarelos, símbolo do Levante, que figura como sinal de esperança e celebração da vida.

Com a hashtag #NemPenseEmMeMatar, a frente busca atingir um público amplo e disseminar a ideia de que a violência contra a mulher é um problema que afeta não só as famílias, mas a sociedade inteira.

“Nós estamos fazendo um trabalho de base e queremos agregar o maior número de mulheres que pudermos, mesmo aquelas que não se entendem como feministas”, explica Tania Palma.

“Estamos falando com religiosas, pescadoras, desempregadas, quilombolas, ribeirinhas”, pontua ela, que é também membro do Grupo de Trabalho Sobre o Feminicídio na Bahia (GTFem), da Universidade Federal da Bahia, que realiza a primeira pesquisa sobre casos de feminicídio em Salvador.

“Não é preciso ser feminista para querer o fim do feminicídio. A gente tem que compreender politicamente isso”, diz a pesquisadora, acreditando que todas devem ser efetivamente conquistadas para a campanha.

Acesso às armas e cultura de violência

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Além de fazer o esforço de base, o Levante se conduz pela pauta feminista que, do ponto de vista das organizadoras, é inegociável. Isso significa combater a política de militarização do governo, que tem liberado o acesso a armas e munições, com objetivo de armar a população – uma plataforma publicizada por Jair Bolsonaro. Além de almejar o fim do feminicídio, o Levante quer fortalecer a democracia.

“Organizamos o levante feminista para conter a matança de mulheres no país. É a nossa forma de discordar dos decretos de armas e de toda essa onda misógina patriarcal que nós estamos vivenciando”, contextualiza Vilma Reis. “A gente diz ‘nem pense em me matar’ e traz a ideia de ‘quem mata uma mulher mata a humanidade’ para materializar que, sem as mulheres, sem a potência feminista, o Brasil não vai para a frente.”

Serviço:

Levante Feminista Contra o Feminicídio
Campanha #NemPenseEmMeMatar #QuemMataUmaMulherMataAHumanidade
Lançamento da campanha em 25/03/2021 – 10h
Programação contará com evento online.
Conheça o manifesto #NemPenseEmMeMatar: http://bit.ly/3vvuIVy
Interessado em apoiar financeiramente? Acesse: http://bit.ly/2OE7mMS

Siga a campanha nas redes sociais:
Twitter: https://twitter.com/LevanteFem
Facebook: https://www.facebook.com/LevanteFeminista2021
Instagram: https://www.instagram.com/levantefeminista/

Comentários