OPINIÃO

Dráuzio, o abraço e a transparência

Por Moisés Mendes / Publicado em 11 de março de 2020

Foto: Reprodução/TVGlobo

Foto: Reprodução/TVGlobo

Todas as pessoas que prestam informações privadas a jornalistas têm o direito de saber o que o entrevistador pensa sobre questões essenciais. Vale para quem concede entrevistas para a divulgação de informações ditas objetivas ou para divagar ou revelar suas posições sobre os mais variados assuntos.

A fonte privada tem, além do direito de não falar, o direito de saber com quem está falando. É uma tese que defendo há anos e que nunca irá prosperar.

O resumo é este. Se quiser, uma fonte pode, antes de qualquer conversa, questionar o jornalista, por alguns minutos, sobre temas primordiais: democracia, liberdades, direitos humanos, racismo, tortura, homofobia, xenofobia, misoginia, ambientalismo.

São questões elementares capazes de revelar posturas e condutas. A fonte privada pode querer saber com quem fala e por que aquela pessoa está ali com a intenção de divulgar o que ela irá dizer. Pode indagar, não para patrulhar posições políticas, mas para saber o que dizer, se deve dizer e em que tom.

Censura? Não. Porque alguém pode rejeitar uma entrevista a um fascista, por exemplo, ou a um admirador de torturadores, ou a um racista, mesmo que ele não explicite claramente, mas insinue o que pensa por respostas evasivas.

Esse direito não se estende a figuras públicas diante de demandas objetivas de jornalistas. Alguém em função pública não pode se negar a prestar informações de interesse de todos nem escolher a quem deve ou não prestar contas do que faz.

Mas pode se negar a emitir palpites e opiniões, em entrevistas sobre o que pensa disso ou daquilo? Pode. Uma entrevista não é um interrogatório, não é sumária, nem compulsória. O silêncio pode ser a resposta reveladora de verdades, mentiras, destemor ou acovardamentos.

Em democracias, investigados podem ficar quietos e dizer que somente falarão diante de um juiz. E muitos podem chegar diante do juiz e não dizer nada. Podem ficar mudos até o fim de um processo.
No caso do ocupante de cargo público que só fala com jornalistas amigos, a saída é denunciar eventuais restrições, perseguições políticas, patrulhas e censuras. Essa foi na ditadura uma das missões de sindicatos, OAB, UNE, Igreja e de entidades de direitos humanos, ao lado dos políticos da resistência.

Digo isso só para radicalizar sobre as posições de quem fala, ouve, vê ou lê e do seu direito de ter acesso à informação que achar necessária para a compreensão das circunstâncias, dos fatos e dos personagens.

Uma pessoa aparentemente passiva diante da TV, convidada a ter compaixão ou a exercitar algum tipo de empatia com alguém, precisa saber quem é esse alguém.

Se não tiver uma informação que considere essencial, e que não é uma informação subjetiva, e se perceber que seus sentimentos foram ludibriados, tem o direito de reagir.

Dráuzio Varella deve saber que ao levar ao público um personagem capaz de provocar comoções nunca estará agindo impunemente. A solitária presidiária transgênero Suzy, que o médico abraçou no Fantástico do dia 1º de março, está encarcerada por ter estuprado e matado um menino de nove anos. É o que se soube dias depois.

Ali naquela cena forte do abraço, depois de uma longa conversa com Suzy, ele não era apenas o médico solidário com uma pessoa infeliz, mas alguém submetido aos códigos de quem faz jornalismo ou lida com algum tipo de documentário. E o esforço de todo jornalista, por mais imperfeito que seja, é pela transparência no que é essencial, e não no que possa ser acessório.

O inverso também é complicado. Um jornalista que decidisse atuar também como médico, usando os nem sempre respeitados códigos do jornalismo (quantos já fingiram ser o que não são?), poderia cometer erros semelhantes.

Também é ingênua a posição dos que acham que a extrema direita se apropriou do assunto e que só ela deve se ocupar da controvérsia. É o contrário. O fascismo adorador de torturadores e milicianos não pode ficar falando sozinho para atacar uma figura cuja marca é o humanismo.

O que sobra do debate é que não há neutralidade nos mínimos gestos do jornalismo ou no que se assemelhar ao jornalismo. E que ninguém é obrigado a ter o alcance do desprendimento e da grandeza de um Dráuzio Varella quando ele trabalha como médico, repórter, escritor ou  documentarista.

Não havia como querer ‘proteger’ a situação de Suzy num biombo, nem reduzir agora o caso a uma questão jurídica ou a um debate sobre as crueldades do cárcere.

O que importa é saber lidar com sentimentos mobilizados por informações incompletas. Com a falta de informações fundamentais, admitida por Dráuzio Varella, que já pediu desculpas à família do menino assassinado, amaram Suzy num dia e passaram a odiá-la alguns dias depois.

Há informações que não são objeto de escolhas. Não há como escondê-las de quem precisa do essencial para tomar inclusive a decisão de emocionar-se ou não diante de uma transgênero encarcerada.

O jornalismo definha se buscar a proteção das sombras. Sua missão é a de mostrar e ajudar a compreender. Existe para ver, ouvir, perceber, informar, expor, iluminar, não para esconder, sempre revelando, se possível, de que lado está. E somente irá sobreviver como jornalismo, e não como medicina, se estiver submetido ao esforço para ser transparente.

Comentários