SAÚDE

SUS gastará R$ 2,5 bi em tratamento contra três tipos de câncer em 2030

Estudo do Instituto Nacional de Câncer revela que novos hábitos e ações integradas em saúde podem mudar quadro que preocupa pesquisadores e afeta recursos do SUS
Por Redação / Publicado em 23 de maio de 2022

Os gastos com a assistência oncológica vêm crescendo de forma expressiva. A cada ano, são, aproximadamente, 232 mil mortes e 450 mil novos casos diagnosticados (excluindo os casos de câncer não melanoma). É a segunda causa mais frequente de morte no país. Pesquisas apontam que, devido ao crescimento e envelhecimento populacional, haverá um aumento de  66% no número de novos casos e 81% nas mortes por câncer no país.

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que as despesas totais do Sistema Único da Saúde (SUS) com apenas três tipos de câncer (mama, colorretal e endométrio), que estão entre os mais incidentes no país, serão de R$ 2,5 bilhões em 2030 e R$ 3,4 bilhões, em 2040. Os gastos abrangem procedimentos hospitalares e ambulatoriais realizados no SUS em pacientes oncológicos com 30 anos ou mais.

Os dados constam da publicação Sumário executivo: gastos federais atuais e futuros com os cânceres atribuíveis aos fatores de risco relacionados à alimentação, nutrição e atividade física no Brasil, lançado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), no dia 29 de abril, durante o seminário virtual Atividade física no controle de câncer: recomendações e impactos econômicos no SUS, como parte das comemorações do Dia Mundial da Atividade Física, ocorrido em 6 de abril.

Serão apresentados também dados sobre o custo econômico da inatividade física e de outras exposições (como o consumo de bebida alcoólica, o excesso de peso corporal e o não aleitamento materno) no tratamento de câncer, observados pela Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) do Inca, e também as recomendações de atividade física para prevenção e controle de câncer, definidas por meio da parceria institucional entre as sociedades brasileiras de Oncologia Clínica (Sboc), de Atividade Física e Saúde (Sbafs) e Inca.

“Os benefícios do movimento são para qualquer pessoa, independentemente de atingir a meta de 150 minutos por semana. Uma dica importante, para que seja algo natural, é buscar por práticas que dão prazer e que sejam feitas próximas de casa ou do trabalho. Essas ações valem para a prevenção de novos casos de câncer e também para quem está em tratamento ou já teve a doença”, afirma Fabio Carvalho, da Conprev.

Comentários

Siga-nos