Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 035| Ano 4| Set 1999
ENTREVISTA | VÍTOR RAMIL
ENTREVISTA

Somos estereótipos

César Fraga

Extra Classe – Teu último trabalho, o CD Ramilonga, mostra uma independência crescente em relação aos conceitos tradicionais do gauchismo. Tu te consideras um artista na contramão dessa tendência?

Vítor Ramil – Com o Ramilonga eu quis enfrentar sim o estereótipo do gauchismo. Eu sempre achei que a milonga era uma música muito sofisticada para ter o tratamento rude que sempre teve na nossa música regional. Então eu quis fazer isso, um trabalho sofisticado e ao mesmo tempo leve, em que encontrei a minha própria linguagem.

EC -Essa visão pessoal das coisas não te transforma em um artista de gueto cultural?

Vítor – Sabe que para mim é muito positiva a maneira como estão as coisas hoje? Se por um lado o capitalismo perdeu qualquer possibilidade de romantismo, por outro lado a evolução tecnológica proporcionou a independência das pessoas. Hoje em dia as palavras marginal e alternativo já perderam o sentido. Estes termos ficam melhor associados a um período em que não se podia fazer as coisas porque não se tinha acesso aos meios de produção. Hoje os trabalhos que não se enquadram nos padrões de mercado encontraram seu espaço. Há artistas que fazem discos impressionantes em casa, e com qualidade. Ou seja, o padrão de qualidade mínimo que se tem já é excelente. Na década de 80, eu não tinha a opção de ser um independente de nível e acabava trabalhando com gravadoras multinacionais, as chamadas grandes gravadoras que me davam condições de fazer o que eu queria.

EC -Tu és um artista nitidamente influenciado pelo escritor argentino Jorge Luis Borges. Isso que as gravadoras rotulam como difícil para o mercado não tem a ver com a qualidade do texto, da música e das referências literárias?

Vítor – Certamente. Borges foi um dos primeiros autores que eu li, por volta dos 13 anos. Eu nem entendia direito, mas já era fascinado por aquele universo do pampa. Eu sabia que aquilo era bom e fui lendo, relendo. Quando passei a entender, gostei ainda mais. Eu me identifico bastante com esta coisa da busca de uma personalidade própria. No que se refere à indústria cultural, isso atrapalha, muitas vezes ela não sabe o que fazer com determinados artistas.

EC – O disco novo aprofunda essa linguagem tradicional sob uma ótica urbana, cultural?

Vítor – Digamos que é o meu trabalho próprio pós-Ramilonga. Tudo o que eu consegui desenvolver em termos de linguagem no Ramilonga pretendo aplicar em um trabalho mais pop. Quer dizer, pop não é bem a palavra. É que o Ramilonga tinha um apelo bastante regional e este trabalho terá outras texturas. Será um disco bastante plácido como se fosse um discode milongas, só que com canções que não são milongas. Vai ter mais ritmo, percussão. É o que chamo de estética do frio. Pela primeira vez eu vou tentar realizar isso em termos de música brasileira, e não tão regional. O que pretendo é aplicar alguns valores estéticos extraídos da nossa identidade regional nessas novas canções.

EC – Quais seriam estes valores?

Vítor – Concisão, leveza, precisão, clareza, profundidade.

EC – Tem bastante das propostas de Ítalo Calvino para o próximo milênio. É isso mesmo?

Vítor – É isso mesmo. Inclusive, estou escrevendo um texto sobre a estética do frio em que eu cito o Calvino quando ele diz: É preciso olhar as coisas sob uma outra ótica, um outro ponto de vista. Ele argumenta que o que é novo na tua vida é leve. Na medida em que esta coisa vai se sedimentando, passa a adquirir peso. Mas se isso for observado por outra ótica, passa a recuperar a leveza. E o que eu fiz foi isso: observar este gauchismo sob uma outra ótica, para que essas referências voltassem a adquirir leveza. Este gaúcho pilchado da cabeça aos pés, esse gaúcho que é peça de museu, não é uma marca de identidade nossa. Isso está presente no nosso imaginário devido ao tempo em que ele nos é sugerido. Mas certamente ele não é uma imagem total da nossa identidade.

EC – O teu primeiro livro, Pequod, foi vencedor do prêmio Açorianos na época de seu lançamento (1996). O teu próximo projeto em literatura também abarca o regional?

Vítor – Na verdade a música tem um sentido de urgência muito maior. Eu não consigo me imaginar com 80 anos fazendo música, mas escrevendo sim. Outro dia um japonês que faz acupuntura me disse (imitando o jeito oriental de falar): “Escrevendo livros também? É bom. Tem trabalho até morrer, né?” (risos). Mas de qualquer forma, o livro que eu devo finalizar primeiro se chamará Satolep, em que escreverei uma ficção para cada foto. As fotografias são de 1922, em Pelotas. Ou seja, será um instantâneo literário para cada instantâneo fotográfico. Na verdade são as minhas velhas fixações de infância, no meu universo de sempre que é o pampa.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS