Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 042 | Ano 5|Jun 2000
NEI LISBOA

Paris, ó Paris

Nei Lisboa

Morram de inveja: estou embarcando para uma temporada de um mês na Europa, incluindo a semana decisiva de Roland Garros, quando espero encontrar o Guga em algum boulevard de Paris para um chopinho de comemoração da vitória. Não bastasse, vou também fazer um show na Universidade de Saint-Denis (acompanhado do Paulinho Supekóvia e do Luiz Mauro na guitarra e teclados) e lançar pela editora L’Harmattan a tradução francesa do meu livro “Um morto pula a janela”, agora batizado de “Un cadavre saute par la fenêtre”. Coisa muita fina e inédita, para este bucólico e tradicional bonfiniano.

Sinceramente, acho que já estava pra lá da hora. Para alguém que faz letras de música falando em Paris e em Berlim, sempre é recomendável cruzar o oceano e saber ao vivo do que é que se está falando, afinal. Então não poupei esforços, deixo pra trás casa, cachorro e uma conta bancária limpinha em troca de arejar as idéias e de brincar de correspondente internacional – a próxima crônica devo mandar de Roma ou de Lisboa, ainda não decidi, baby. Talvez Veneza. Talvez Ibiza. Morra de inveja.

A única areia nesse sapatinho é que não falo uma palavra sequer de francês. Tampouco falo italiano ou alemão, e só o inglês poderia me salvar. Mas dizem da França que não é muito chegada ao idioma dos (e aos próprios) norte-americanos. Corro o risco, então, de ser confundido – branquela e quatro-olhos, um guia de viagem embaixo do braço, perguntando em inglês onde fica a Torre Eiffel – com um caixeiro-viajante do interior do Missouri e de ser tratado como tal, caipira imperialista em férias. “Ianque, go home”, era o que me faltava escutar a essa altura da vida. Ou, pior ainda, algum xingamento na língua nativa do qual eu não vou entender patavina, sendo obrigado a esboçar um sorriso e um “merci” por mais que estejam dizendo horrores da minha família.

Que dilema, que dilema. Vou tentar atenuar esse sofrimento passeando um pouquinho por Londres, também. Aliás, passeando já estou, há dois meses debruçado sobre mapas, horários e preços de trens, investigando diárias de hotéis meia-estrela, pesquisando na internet o preço de um sanduíche em Paris, de um maço de Malrboro em Madrid. Nem precisam morrer tanto de inveja, que o orçamento é curtinho, curtinho. Pra nós, os não-emergentes, uma viagem dessas pode ser a única em toda a vida, e cada tostão merece ser bem aproveitado conhecendo outras paragens. Restaurante, com comida de verdade, acho que vou deixar pra volta.

Mas o melhor mesmo vai ser a final do aberto da França, se o Guga chegar lá. Fiquem atentos que alguma câmera de TV pode me focar, vou estar ali do lado de fora do estádio com o ouvido colado num radinho – os ingressos parece que giram em torno dos quinhentos dólares. Se o mané vencer, peço pro Extra Classe um caderno especial na próxima edição: “Tudo sobre Roland Garros e os sanduíches parisienses”. “Guga na intimidade dos boulevards”. “O caso com Gisele Bundchen, mito ou verdade?” Te cuida, Paulo Henrique Amorim. Sou capaz de nem voltar, se a Globo insistir muito. Mas por enquanto é só um até logo. Ou melhor, um “ó revuá”.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS