Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 063 | Ano 7 | Jul 2002
CULTURA
CULTURA

O vaga-lume e a metáfora da luz

Ana Esteves

A alegria de um menino que vê, pela primeira vez, o brilho dos vaga-lumes no pátio de casa em contraponto com a luz esmaecida dos olhos dos pais, que discutem o futuro da relação. Essa é a primeira das metáforas sugeridas pelo curta-metragem Vaga-lume, realização da Plongèe Cinema, dirigido pelo cineasta gaúcho Gilson Vargas, que tem pré-estréia agendada para este mês em Porto Alegre. O filme resgata as lembranças da infância de um iluminador de teatro, que recorda a primeira vez que viu um vagalume. “O menino descobre essa luz especial da natureza, enquanto os pais têm a luz dos olhos, do amor, morrendo aos poucos.”, conta Vargas.

O jogo com as representações da luz também aparece no momento em que o menino aprisiona e sufoca os vaga-lumes, passando a idéia da luz/amor aprisionada que se apaga. “Aqui está representada a questão da liberdade, com duas leituras distintas: uma sugerindo a libertação dos vaga-lumes e outra ressaltando a liberdade individual. Nesse momento o filme remete para a crise do casal, também sufocado pela relação”, explica o diretor. Conforme Vargas, apesar da aura infantil que aparenta predominar, trata-se de uma produção com “densidade dramática acentuada”. Sobre o processo de produção, ele destaca alguns pontos curiosos: “Tivemos uma parte de produção de campo para a coleta de vaga-lumes, que foram isolados numa estufa a 21 graus. Eles eram alimentados diariamente e monitorados por um pesquisador da UFRGS. Outra parte dos insetos foi produzida virtualmente”, contou. Segundo ele, entre o processo de pré-produção, filmagem e finalização, o filme, cujo elenco é formado por Sérgio Etchychuri, Nelson Diniz, Vanise Carneiro e Rafael Serres, levou nove meses para ser finalizado.

vagalume

O curta-metragem terá sua estréia no 30º Festival de Gramado Cinema Brasileiro e Latino

Fotos Divulgação

A estréia oficial ocorrerá durante o 30º Festival de Gramado Cinema Brasileiro e Latino, em que o filme concorre na categoria de melhor curta 35mm. O projeto, cujo roteiro foi escrito há dois anos, foi selecionado pelo Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural (Fumproarte) no primeiro semestre de 2001. “Ficamos entre os primeiros colocados de todas as áreas culturais premiadas pelo Fundo”, orgulha-se Vargas. Além do apoio financeiro do Fumproarte, o filme contou com apoiadores como o Sinpro/RS, Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Trabalho e Previdência (Sindisprev/RS) e o Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado (Sintrajufe). “Os apoiadores são fundamentais, pois é indispensável somar esforços para realizar cultura, que é o alimento para a alma”, declarou o diretor.

Sobre a situação dos curtas no meio cinematográfico, Vargas é bem otimista. “Os curtas têm tido cada vez mais espaço, em emissoras de TV e através de projetos como o Curta nas Telas, além do que, os filmes gaúchos têm ótima aceitação em festivais pelo país e também na Europa e nos Estados Unidos. Hoje, em muitas situações, os curtas têm mais procura do que muitos longas gaúchos, sem falar que o mercado de longas é muito competitivo e o curta chega ao público mais facilmente. Ainda temos dificuldades, mas o espaço está um pouco maior. As pessoas vivem num corre-corre e por isso o formato diferenciado do curta tem conquistado cada vez mais seu espaço”, avalia.

Após a estréia em Gramado, Vaga-lume pega a estrada para participar de diversos festivais pelo Brasil e exterior. “O terceiro passo será a exibição em projetos como o Curta Petrobrás e o Curta nas Telas e a última etapa será a exibição na TV”, destacou o diretor. A direção de fotografia é de Sadil Breda, direção de arte, Iara Noemi e Gilson Vargas. A trilha sonora é de Fernando Basso e a música tema Pois é, de Chico Buarque de Holanda e Tom Jobim.

Quem é Gilson Vargas

O cineasta Gilson Vargas começou a carreira há 10 anos, quando o cinema gaúcho ainda era incipiente e a produção de filmes nacional foi travada com a extinção da Embrafilme. “Produzir cinema na época era um ato heróico e, em função disso, produzi muito material em vídeo, comerciais para a TV, documentários, vídeoclipes”. A produção em película recomeçou para valer em meados de 97, com o processo de retomada do cinema brasileiro, marcado pela produção do longa Carlota Joaquina, de Carla Camurati. Foi nesse período que Gilson estreou com o média metragem “Até”, vencedor do Prêmio Assembléia Legislativa de melhor filme, no 27º Festival de Gramado Cinema Brasileiro e Latino. Depois disso, ele filmou o curta 35mm “Quem”, que recebeu o Tatu de Prata de melhor direção na 26ª Jornada de Cinema da Bahia. A película também rendeu prêmios de melhor ator para Júlio Andrade, melhor atriz para Araci Esteves e melhor fotografia no 1º Prêmio APTC de Cinema Gaúcho, realizado em 2000. “Quem” também foi escolhido melhor filme pelo Júri de Internet do Cine 8, prêmio paralelo ao APTC.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS