ECONOMIA

Pandemia: 83 milhões estão trabalhando em casa

Análise do Ipea mostra a evolução do trabalho remoto no país com recorte regional, por escolaridade, faixa etária, gênero e raça e cor
Da Redação / Publicado em 23 de novembro de 2020
Maioria dos trabalhadores remotos durante a pandemia é de mulheres brancas com nível superior completo e idade entre 30 e 39 anos, aponta Ipea

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Maioria dos trabalhadores remotos durante a pandemia é de mulheres brancas com nível superior completo e idade entre 30 e 39 anos, aponta Ipea

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou um retrato do trabalho remoto no Brasil. Em setembro, aproximadamente 8 milhões de pessoas seguiam trabalhando em home office, o que representa 10,7% dos 82,9 milhões de pessoas ocupadas e não afastadas. Os profissionais em trabalho remoto foram remunerados em R$ 35,5 bilhões no mês, ou seja, 20% dos R$ 176,7 bilhões que correspondem à massa total de rendimentos efetivamente recebida por todas as pessoas ocupadas no país.

Mulheres predominam

Infográfico: Ipea

Infográfico: Ipea

O estudo mostrou que, em setembro, a maioria das pessoas em trabalho remoto no Brasil era do sexo feminino (57%), da cor branca (65,4%), com nível superior completo (76,1%) e idade entre 30 e 39 anos (31,6%). Há um predomínio do setor formal no trabalho remoto (84,1%), que equivale a 6,8 milhões de pessoas, enquanto os outros 15,9% dos trabalhadores estavam na informalidade (1,3 milhões de pessoas). Na desagregação por atividade, 44,4% das pessoas em home office estavam em atividades de serviços, 37,7% no setor público, 7% na indústria e 5,2% no comércio.

De acordo com os pesquisadores, a maior concentração de pessoas trabalhando remotamente estava na Região Sudeste (58,3%). Na análise por unidade federativa, o Distrito Federal liderava o ranking (com 12,6 p.p. acima da média nacional), seguido por Rio de Janeiro (+ 6,5 p.p.) e São Paulo (+ 4.6 p.p). O Pará foi o estado com o menor percentual de pessoas ocupadas e não afastadas em trabalho remoto (7,6 p.p. abaixo da média nacional).

Para o pesquisador Geraldo Góes, um dos autores do estudo, “o trabalho remoto pode ser caracterizado como um importante segmento da economia, sinalizando uma possível tendência pós-pandemia e a necessidade de aperfeiçoamento da legislação sobre o tema”. Góes ressaltou que a massa de rendimentos dos trabalhadores em home office (20%) corresponde aos rendimentos gerados pelo setor público nacional que não está em tele trabalho (16,1%).

As estimativas do estudo intitulado O Trabalho Remoto e a Massa de Rendimentos na Pandemia foram calculadas com base na Pnad Covid-19, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comentários

Siga-nos