ECONOMIA

Os eufemismos do BC e a carta para Guedes

Por César Fraga / Publicado em 11 de julho de 2022
Os eufemismos do BC e a carta para Guedes

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Roberto Campos Neto terá de mandar outra carta para Paulo Guedes analisando as causas da inflação

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Banco Central (BC), ao admitir o estouro da meta da inflação para este ano, se esconde atrás do eufemismo. O BC calcula uma probabilidade “próxima” de 100% para o estouro da meta, conforme seu Relatório Trimestral de Inflação divulgado no último dia de junho.

A meta deste ano é de 3,5% com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o BC não vê chance de a inflação neste ano ficar abaixo de 5%, o teto desse intervalo.

O único ponto em que a legislação que prevê alguma sanção ao BC no caso da inflação ficar fora do intervalo de tolerância é que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, terá de escrever uma carta para o ministro da Economia, Paulo Guedes, explicando as razões e o que a autoridade monetária fará para evitar um novo estouro.

Fome em disparada e salários encolhendo

Enquanto Roberto Campos escreve cartas para Guedes, responsável pela política econômica, quase duplica no país o número de brasileiros em estado de miséria e fome. Sem contar os trabalhadores que perderam empregos e/ou poder aquisitivo e não terão reposição de salários e já falam em escassez de alimentos nas suas mesas.

Pesquisa do Datafolha divulgada no dia 27 de junho aponta que um em cada quatro brasileiros não tem acesso à quantidade necessária de comida para alimentar sua família.

De acordo com outro estudo, este realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan), o número de pessoas em insegurança alimentar grave no Brasil saltou de 19 milhões (em 2020) para 33,1 milhões (15,5% da população), atualmente.

Os dados constam no Inquérito Nacional sobre Segurança Alimentar no Contexto da Pandemia Covid-19 no Brasil (Vigisan).

Leia também:  

A maioria dos reajustes ficou abaixo da inflação

Comentários

Siga-nos