ECONOMIA

Reajustes salariais de julho ficaram 70,3% abaixo do INPC

Dados preliminares da Fipe mostram ainda que de um total de 70 acordos coletivos e 21 convenções houve 4,4% reajustes iguais e 25,3% acima do INPC
Da Redação / Publicado em 27 de julho de 2022

Envio diário

Envio diário

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O resultado preliminar das negociações salariais coletivas em julho mostra que 70,3% dos reajustes estão abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado. As informações constam no boletim mensal Salariômetro – Mercado de Trabalho e Negociações Coletivas, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Segundo os dados preliminares, a proporção de reajustes iguais ao INPC foi de 4,4% e a de reajustes acima do INPC foi de 25,3%. O piso salarial mediano foi de R$ 1.441 e o piso médio foi de R$ 1.476. De acordo com o boletim, em julho houve 70 acordos e 21 convenções.

De acordo com a Fipe, em junho 41,3% dos reajustes ficaram acima do INPC, sendo a maior proporção dos últimos 12 meses, e o reajuste mediano ficou igual ao INPC acumulado.

Junho

Já para o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o percentual de acordos com ganhos reais foi superior em junho, cerca de 37% dos reajustes salariais.

O mês passado representou o maior percentual de reajustes acima da inflação por data-base, desde setembro de 2020, quando foram observados aumentos reais em cerca de 44% dos casos examinados pelo Dieese.

O percentual de resultados em valor igual à inflação, em junho, fechou também próximo a 37%. Já os reajustes abaixo da inflação representaram 26% dos casos.

A análise publicada na 22ª edição do Boletim de Conjuntura De olho nas negociações de julho tomou como referência a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comentários

Siga-nos