OPINIÃO

Leituras incomuns

FRAGA / Publicado em 23 de junho de 2020

Ilustração: Sica

Ilustração: Sica

A quarentena, esse teste-drive doméstico da eternidade, vai exigir muito daqueles que não têm hábito de leitura. Mas isso é problema deles. O do bom leitor é fazer render o acervo literário que tem em casa. Sobretudo se não é dono de biblioteca, se possui apenas uma estante ou uma única prateleira. Calma, o jeito é fazer render alguns livros. Eis alguns exercícios para a multiplicação das páginas.

1 – Leia primeiro as páginas ímpares de um livro. A seguir, as pares. As surpresas de enredo são inimagináveis. Sem falar do esforço que é extrair sentido desse conteúdo dividido. Lembra de O Jogo da Amarelinha, do Júlio Cortázar? Fichinha perto desse desafio.

2 – Leia vários livros ao mesmo tempo, alternando trechos de todos eles. Quer dizer: leia todos os primeiros parágrafos de, digamos, seis ou mais livros. Depois reinicie a sequência com os segundos parágrafos, e assim por diante. De preferência a livros de gêneros distintos. Ao final, você terá completado a leitura de uma obra descomunal, totalmente inédita. E se gabar pro resto da vida, ou da quarentena, a que durar mais.

3 – Se você tem apenas um livro que já cansou de ler e reler, não há problema. Leia ao acaso, abrindo uma página por vez.  Repita isso quantas vezes precisar até terminar o livro. Funciona prazerosamente tanto com a Bíblia quanto com um dicionário, mas com os clássicos as emoções são infindáveis.

4 – Pra variar, o próximo livro você pode ler sem pular página alguma. Só que na ordem inversa, do fim ao começo. Como você já conhece esse livro, calcule o prazer de redescobrir a história ao contrário. Imagine seu gozo com livros policiais: o assassino já foi descoberto mas, eba!, você vai acompanhar o roteiro inverso, passar pelo ato criminoso e chegar às motivações iniciais dele ao conhecer sua vítima. Agatha Christie nunca foi lida assim!

5 – Outro malabarismo inventivo de leitura é pegar qualquer livro e ler linha sim, linha não. Com sorte, com esse pula-pula você descobre um outro livro dentro do livro. E nessa leitura desdobrada, talvez haja chance de insuspeitas entrelinhas, o que ampliará seu prazer.

6 – Bem, depois desses exercícios, você mesmo pode improvisar outras formas de explorar os volumes ao seu alcance. Ler, por exemplo, em voz alta e ignorar toda a pontuação. José Saramago fazia isso e encantou meio mundo. Ou ler só os monossílabos e, após o livro inteiro, voltar e ler os polissílabos. Ou ler página a página de baixo pra cima. Ou… Não, chega de sugestões. Você é capaz de fazer melhor que eu.

Comentários